AFP / Omar haj kadour
AFP / Omar haj kadour

Ajuda humanitária chega a 5 localidades sírias sitiadas

ONU diz que autorização é sinal de boa vontade do governo de Damasco; em apenas um povoado há 400 casos de desnutrição

O Estado de S. Paulo

17 de fevereiro de 2016 | 19h36

BEIRUTE - Vários carregamentos de ajuda humanitária entraram ontem em cinco localidades sitiadas no centro e no norte da Síria, o que a ONU considerou uma “prova de boa vontade” do governo de Damasco em permitir o acesso às áreas.

Mais de uma centena de caminhões chegou a Muadamiya as-Sham, Madaya e Al-Zabadani, na periferia de Damasco, cercadas pelas forças do governo e seus aliados, e a Fua e Kefraya, localidades de maioria xiita cercadas pela Frente Al-Nusra, filial da rede Al-Qaeda, e outros grupos armados.

A porta-voz para a crise síria do Escritório da ONU para a Coordenação de Assuntos Humanitários (Ocha), Linda Tom, disse que estão sendo realizadas operações da ONU e do Crescente Vermelho (a Cruz Vermelha no Oriente Médio) para entregar ajuda a 100 mil pessoas nessas cidades.

A porta-voz disse que os comboios levam alimentos, remédios e assistência sanitária e nutricional. A agência de notícias oficial Sana, citando o coordenador de operações do Crescente Vermelho na Síria, Ahmad al-Nayem, disse que 18 caminhões com comida chegaram a Fua e Kefraya, além de uma equipe médica. Ele acrescentou que 35 caminhões chegaram a Muadamiya as-Sham e 59 veículos a Madaya e Al-Zabadani.

Um porta-voz do Conselho Local, de oposição, Abu Kenan Dimashqui, confirmou a entrada de veículos com ajuda ao povoado de Muadamiya as-Sham. Ele disse que a situação “é pior do que se pode imaginar”. “Só há um hospital para 45 mil habitantes e aqui não entra nenhum material médico”, lamentou. Dimashqui acrescentou que Muadamiya as-Sham sofre bombardeios diários e combates são travados entre as forças do governo e facções armada de oposição.

Segundo a ONU, em Madaya há 400 casos de desnutrição e os afetados precisam ser retirados da cidade e levados para hospitais com melhor infraestrutura.

A autorização para o envio de ajuda humanitária foi anunciada depois de uma visita à Síria do mediador internacional, Staffan de Mistura. Na semana passada, EUA e Rússia concordaram com um acordo para acabar com as hostilidades na Síria em um prazo de uma semana. No entanto, apesar do envio de ajuda humanitária, não parece que uma trégua seja alcançada tão cedo.

O envio de ajuda à população necessitada era uma das reivindicações da oposição para participar da nova rodada de conversações, no dia 25, em Genebra. A fase anterior foi suspensa no início do mês após uma ofensiva do Exército sírio na Província de Alepo. / EFE

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.