Ajuda humanitária pode ser suspensa no Iêmen; houthis dizem que bombardeios mataram 43

Ajuda humanitária pode ser suspensa no Iêmen; houthis dizem que bombardeios mataram 43

Aviões de uma coalizão liderada Arábia Saudita bombardearam províncias iemenitas perto da fronteira com o território saudita durante a noite, matando pelo menos 43 civis, disseram fontes da minoria houthi, enquanto 22 agências de ajuda alertavam que a escassez de combustível poderia interromper seu trabalho.

MOHAMMED GHOBARI, REUTERS

06 de maio de 2015 | 11h04

Os ataques ocorreram após combatentes houthis, do Iêmen, lançarem bombas e projéteis de morteiro em uma cidade saudita na fronteira, na terça-feira, no primeiro ataque no território do país vizinho desde que a coalizão iniciou uma campanha militar contra eles em 26 de março.

O conflito tem atrapalhado as importações no Iêmen, onde cerca de 20 milhões de pessoas – ou 80 por cento da população – podem vir a passar fome, de acordo com uma declaração da Organização das Nações Unidas (ONU) e do Fórum Internacional de ONGs no Iêmen.

A escassez de combustível tem prejudicado hospitais e o abastecimento de alimentos nas últimas semanas, e o Programa Mundial de Alimentos da ONU informou que a carência de combustíveis no país passou de 40 mil litros por mês para 1 milhão de litros.

"Milhões de vidas estão em risco, em especial as crianças, e logo não vamos ser capazes de responder”, declarou Edward Santiago, diretor da entidade Save the Children, em um comunicado.

A declaração também desconsiderou um anúncio feito pela aliança liderada pela Arábia Saudita sobre uma possível trégua em algumas áreas para permitir a entrada de suprimentos humanitários, dizendo que isso não seria suficiente.

Tudo o que sabemos sobre:
IEMENAJUDAPARADAMORTOS*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.