Ajuda internacional ao Paquistão soma US$ 800 milhões

A ajuda internacional ao Paquistão para enfrentar os danos causados pelas enchentes que devastam o país já soma US$ 815,58 milhões, segundo o Ministro de Relações Exteriores, Shah Mahmood Qureshi. "Nas atuais circunstâncias, quando a Europa e os Estados Unidos estão em meio a recessão, este tipo de solidariedade é muito encorajadora", afirmou.

AE-AP, Agência Estado

22 de agosto de 2010 | 13h39

O ministro agradece a assistência internacional, oferecida depois que Organização das Nações Unidas (ONU) pediu mais de US$ 460 milhões em ajuda ao país.

As enchentes começaram no final de julho no nordeste do Paquistão, depois que chuvas de monções excepcionalmente fortes levaram ao transbordamento de rios, inundando as províncias de Punjab, no leste, e Sindh, no sul. As inundações afetaram cerca de um quinto do território do país, pressionando ainda mais o governo civil, que já luta contra a violência da Al-Qaeda e do Taleban. Pelo menos 6 milhões de pessoas estão desabrigadas e 20 milhões foram afetadas de alguma forma.

A ajuda para o Paquistão foi oferecida de modo relativamente lento nas primeiras semanas das enchentes, aparentemente porque muitos países não tomaram conhecimento da dimensão dos danos, além do número relativamente baixo de mortes - cerca de 1,5 mil pessoas - ter contribuído para as impressões equivocadas, dizem analistas.

As inundações ainda estão causando destruição. Três cidades do distrito de Thatta, na província de Sindh, estavam em risco no fim de semana e autoridades pediram que milhares de pessoas deixassem a região, pela cheia do rio Indus. Pelo menos duas barragens ao longo do rio são potenciais pontos de perigo e estão sendo fortalecidas, segundo um funcionário da Autoridade de Tratamento de Desastres da província.

Em muitas áreas, moradores estão agindo por si próprios para fortalecer as barragens, com sacos de areia e pedras. "Não vemos nenhuma agência do governo aqui para nos ajudar a salvar nossas vidas e propriedades", afirmou um residente do distrito de Thatta, Munawar Ali, à TV Dunya.

O Paquistão terá dificuldades para arcar com a crise. A economia do país já estava endividada em bilhões de dólares em empréstimos do Fundo Monetário Internacional e o custo da reconstrução depois das enchentes deverá atingir bilhões de dólares. O FMI se reunirá com autoridades paquistanesas esta semana para discutir o tema, segundo o diretor do departamento para Oriente Médio e Ásia Central do fundo. As informações são da Associated Press.

Tudo o que sabemos sobre:
Paquistãoenchentes

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.