Al-Arabiya perde em audiência para Al-Jazira

A rede de TV Al-Jazira é a CNN do mundo árabe. E, assim como a TV americana, ganhou concorrentes por causa do sucesso. A principal delas é a Al-Arabiya, que ontem entrevistou Barack Obama. Mas há outras menores, que buscam ganhar espaço em uma região com uma população cada vez mais sedenta por notícias que mostrem seu lado no conflito.Fundada pelo governo do Catar, a Al-Jazira começou a ganhar espaço durante a Guerra do Iraque. Os árabes podiam ver imagens que nem sempre estavam disponíveis para os telespectadores das tevês ocidentais. Radical no início, a emissora foi adotando um tom mais moderado ao longo dos anos. Percebendo que no Ocidente havia mercado para uma rede de TV árabe em inglês, a Al-Jazira investiu alto em seu canal internacional, buscando jornalistas na CNN e na BBC, como Riz Khan, principal âncora da rede árabe.Os principais hotéis de Beirute, Dubai, Damasco, Cairo, Jerusalém e Riad oferecem a Al-Jazira internacional, também disponível no YouTube. No conflito de Gaza, foi uma das principais fontes de informação de jornalistas estrangeiros, impedidos de entrar no território palestino pelo governo de Israel. Já os palestinos assistiam ao canal árabe, com imagens fortes dos bombardeios israelenses, exibindo crianças mortas e corpos despedaçados.Antes do conflito, a Al-Jazira já era a campeã de audiência entre os palestinos, segundo o Centro Palestino de Política e Pesquisa, de Ramallah. Segundo o levantamento, feito no fim do ano passado, 50,3% dos palestinos assistem à Al-Jazira, sendo 57,6% na Cisjordânia e 37,6% na Faixa de Gaza. A diferença deve-se à força da TV Al-Aqsa, do Hamas, em Gaza, com uma audiência de 22,3% (7,9% na Cisjordânia). A Palestine TV, outra emissora local, tem uma audiência de 11,1% nos territórios.A rede britânica BBC fez o inverso da Al-Jazira e decidiu abrir um canal em árabe no fim do ano passado. No Líbano, o Hezbollah também tem uma rede de TV, a Al-Manar. Mas todos os grupos políticos libaneses possuem um canal próprio. A Al-Manar e a Al-Aqsa entoam cânticos anti-Israel em seus comerciais. Mas os programas de notícias tentam passar um ar de seriedade, apesar de um forte viés contra os israelenses e de apoio aos iranianos.A Al-Jazira é bem mais sóbria em suas transmissões, apesar de manter uma posição contra Israel. A rede, na verdade, ganhou inimigos entre as outras monarquias árabes, alvo constante de críticas da TV do Catar. Este foi um dos motivos de a Al-Arabiya ter sido lançada pelos Emirados Árabes.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.