Al-Bashir: decisão sobre independência será respeitada

O presidente do Sudão, Omar al-Bashir, disse hoje que ajudará a construir um Estado "irmão, estável e seguro" no sul do país se a população local votar pela independência em um referendo que acontecerá em 9 de janeiro de 2011. "Nós não iremos privar nossos irmãos do sul da escolha que eles fizerem e vamos ajudá-los a construir seu Estado, porque queremos um Estado seguro e estável. Se ocorreram problemas, esses problemas serão levados a nós", disse al-Bashir, em discurso transmitido pela televisão estatal.

AE, Agência Estado

28 de dezembro de 2010 | 16h43

Falando a milhares de pessoas no Estado de Al Jazirah (Gezira), considerado o celeiro do país, ao sul de Cartum, al-Bashir disse que será "o primeiro a reconhecer o sul" se a população local escolher a secessão no referendo de 9 de janeiro. "Se vocês disserem unidade, sejam bem-vindos. Se disserem secessão, também serão bem-vindos, como um novo Estado irmão."

Cerca de 3,5 milhões de sulistas sudaneses estão registrados para votar no plebiscito, informou o porta-voz da comissão do referendo, George Makuer Benjamin.

Al-Bashir, que é procurado pelo Tribunal Penal Internacional (TPI) das Nações Unidas por crimes de guerra e genocídio na região do Darfur, oeste do Sudão, disse no começo deste mês que o norte do Sudão irá reforçar a Sharia, ou lei islâmica, após o referendo.

O sul, de cultura africana e religiões cristã e nativas, travou uma guerra civil de vinte anos com o norte, de cultura árabe e religião islâmica. A guerra acabou em 2004 com um acordo de paz que previu o referendo. As informações são da Dow Jones.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.