Al-Jazira recebe prêmio por luta contra a censura

A revista inglesa Index on Censorship outorgou à rede de TV árabe Al-Jazira um prestigioso prêmio por liberdade de expressão, ao mesmo tempo em que a emissora do Catar é acusada por Washington de parcialidade em suas reportagens dobre a guerra. O prêmio - por ter "driblado" a censura - é considerado, internacionalmente, um importante reconhecimento aos meios de comunicação comprometidos na luta pela liberdade e a independência de informação. A postulação havia sido proposta por personalidades do setor e o prêmio reflete a atenção e o apreço despertados pela rede em boa parte do mundo da informação.EUA e Grã-BretanhaA ONG Repórteres sem Fronteiras (RSF) protestou hoje contra "a forma pela qual as forças anglo-americanas tratam os jornalistas que cobrem a guerra do Iraque". "Muitos jornalistas foram atingidos por disparos, outros foram detidos e interrogados durante várias horas, e as forças da coalizão maltrataram, espancaram e humilharam outros", denunciou Robert Ménard, secretário-geral da RSF.Ménard condenou também os bombardeios contra o ministério da Informação de Bagdá pois, "como todo mundo sabe, ali estavam os escritórios dos meios de comunicação internacionais". A organização recordou que quatro jornalistas - dois israelenses, Dan Scemama e Boaz Bismuth, e dois portugueses, Luís Castro e Víctor Silva - acusaram a polícia militar americana de ter-lhes feito passar "as piores 48 horas da vida". Os quatro jornalistas, não-incorporados a unidades militares (isto é, não-autorizados pelo Pentágono a acompanhar tropas), foram detidos, na noite de 25 para 26 de março, enquanto dormiam nas cidades de Kerbala e Najaf. Apesar de levarem suas credenciais de imprensa, os quatro foram ameaçados, maltratados e encerrados em um jipe, em caráter incomunicável, durante 36 horas. Um cinegrafista da televisão Al-Jazira, Akil Abdel Reda, dado como desaparecido em Basra, também foi interrogado e detido pelas forças americanas, durante mais de 12 horas, no sábado, 29 de março. Veja o especial :

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.