Al-Qaeda acusa Obama de trair negros

Em vídeo, ''número 2'' da rede terrorista faz ameaças e declara que presidente eleito é o ''oposto de Malcolm X''

O Estadao de S.Paulo

20 de novembro de 2008 | 00h00

O segundo na linha de comando da rede terrorista Al-Qaeda, Ayman al-Zawahiri, criticou ontem o presidente eleito dos EUA, Barack Obama, e afirmou que "um legado de falhas e crimes" o aguarda na Casa Branca. Num vídeo de 11 minutos divulgado pela internet, Zawahiri comparou repetidamente Obama com o muçulmano Malcolm X, ativista negro americano assassinado em 1965."Você (Obama) representa diretamente o oposto de negros americanos honoráveis como Malik al-Shabazz (Malcolm X)", afirmou Zawahiri. "Você nasceu de um pai muçulmano, mas escolheu tomar a posição dos inimigos dos muçulmanos e rezar as preces dos judeus", declarou, enquanto era exibida uma imagem de Obama no Muro das Lamentações, em Israel. No vídeo divulgado ontem, Zawahiri diz que, assim como Obama, o ex-secretário de Estado Colin Powell e sua sucessora no cargo, Condoleezza Rice, confirmam a definição de "negros domésticos". O termo era utilizado com freqüência por Malcolm X para se referir a negros subservientes aos interesses dos brancos.O número 2 da Al-Qaeda também alertou Obama para que não envie mais soldados ao Afeganistão. "Se você quiser continuar sendo teimoso sobre o fracasso dos EUA no Afeganistão, então lembre-se do destino de George W. Bush e (do ex-presidente paquistanês) Pervez Musharraf", disse Zawahiri. "Esteja ciente de que os cães do Afeganistão apreciam o sangue de seus soldados."O líder terrorista reiterou seu pedido para que muçulmanos continuem os ataques contra o Ocidente. O governo americano respondeu, qualificando as declarações de Zawahiri de "desprezíveis".O vídeo foi a primeira manifestação pública da Al-Qaeda desde a vitória do candidato democrata, dia 4. Segundo analistas, a demora da rede em reagir à eleição de Obama refletia a incerteza entre os líderes do grupo sobre como responder ao fato corretamente - já que o eleito é visto no mundo muçulmano como o oposto de Bush."Zawahiri e outros integrantes da Al-Qaeda reconhecem o apelo que Obama tem, não só sobre os americanos, mas também sobre a população do mundo em desenvolvimento", afirmou o analista Evan F. Kohlmann, especializado em temas ligados ao terrorismo.AFP E WP

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.