Al-Qaeda afirma que sequestrou 3 espanhóis e 1 francês

Braço da rede terrorista no norte da África diz que irá informar suas exigências aos países europeus

Agência Estado,

08 de dezembro de 2009 | 17h35

O braço da rede terrorista Al-Qaeda no Magreb Islâmico, região do norte da África, afirmou nesta terça-feira, 8, que mantém no cativeiro três espanhóis e um francês sequestrados no mês passado. Os reféns são mantidos por uma célula linha-dura da Al-Qaeda, que reivindica a autoria do assassinato de um refém britânico no começo deste ano, de acordo com uma fonte da segurança do Mali, país do norte africano.

"Duas unidades de corajosos mujahedin (combatentes) conseguiram sequestrar quatro europeus em duas operações diferentes", disse Saleh Abu Mohammed, porta-voz da organização terrorista, que se autodenomina o braço norte-africano da Al-Qaeda de Osama bin Laden.

O refém francês Pierre Camatte foi sequestrado em 25 de novembro no Mali, enquanto os três espanhóis foram sequestrados quatro dias depois na vizinha Mauritânia. Pela primeira vez, a Al-Qaeda no Magreb Islâmico disse que mantém no cativeiro os quatro reféns europeus, num vídeo exibido pela emissora de televisão Al-Jazira.

O porta-voz, que identificou os reféns espanhóis pelo nome, acrescentou que "a França e a Espanha serão informadas mais tarde sobre as legítimas demandas dos mujahedin". Ele não entrou em detalhes sobre os pedidos.

Falando na cidade de Menaka, no norte do Mali, uma fonte da segurança do país afirmou à agência de notícias AFP que os três espanhóis "estão nas mãos da ala linha-dura da Al-Qaeda no Magreb Islâmico, liderada por Abou Zeid".

Uma fonte de segurança no norte do Mali disse que os sequestros foram "calculados e organizados" para ter impacto máximo. "A Al-Qaeda no Magreb Islâmico preparou bem o seu golpe", disse a fonte. "Ela queria - e conseguiu - golpear vários países de uma só vez".

 

As informações são da Dow Jones.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.