Al-Qaeda ameaça "cruzados e judeus" com novos ataques

A Al-Qaeda ameaçou promover ataques mais duros contra os Estados Unidos e Israel "em terra, ar e mar", num comunicado em áudio atribuído ao porta-voz da rede terrorista que foi colocado neste domingo num site de um grupo militante. "A coalizão entre cruzados e judeus não estará segura em nenhum lugar dos ataques dos lutadores", afirma o comunicado, usando um termo comumente usado por militantes islâmicos para descrever o que vêem seja uma aliança entre os Estados Unidos e Israel. "Vamos atingir os centros mais vitais e vamos atacar suas operações estratégicas com todos os meios possíveis." O comunicado foi atribuído ao porta-voz da Al-Qaeda, Sulaiman Abu Ghaith. O site também divulgou uma transcrição da fita. A rede de tevê por satélite árabe Al Jazira divulgou partes da declaração em áudio, e a voz parecia ser a mesma de videotaipes anteriores da Al-Qaeda que traziam Abu Ghaith. O site na internet, que já divulgou outros comunicados atribuídos à rede de Osama bin Laden, divulgou conjuntamente uma foto de Abu Ghaith que teria sido tirada de um videotaipe. O paradeiro do porta-voz da Al-Qaeda, assim como o de Bin Laden, é um mistério desde que a rede foi caçada por tropas dos EUA no Afeganistão após os atentados de 11 de setembro. "Vamos perseguir o inimigo usando a arma do ´terror´, ampliando as frentes de combate e conduzindo operações mais concentradas e mais rápidas... para que (o inimigo) se sinta inseguro e instável em terra, ar e mar." No comunicado, Abu Ghaith também disse que era genuína a reivindicação feita pela Al-Qaeda dos ataques de 28 de novembro contra israelenses no Quênia. A reivindicação havia sido divulgada em diversos sites islâmicos na semana passada. O comunicado deste domingo sublinhou que a Al-Qaeda normalmente não assume responsabilidade por ataques, mas iria fazê-lo "de acordo com circunstâncias relevantes". Autoridades dos EUA acreditam ser crível a reivindicação de responsabilidade dos ataques no Quênia. Aviso Israel recebeu um alerta do serviço de segurança de que o Al-Qaeda planeja atacar judeus e israelenses em Praga, capital da República Checa. O governo israelense considera o grupo terrorista de Osama bin Laden o principal suspeito do atentado a bomba em um hotel no Quênia no dia 28 de novembro, que matou 13 quenianos e três israelenses, e pelo ataque frustrado com mísseis contra um avião israelense que decolava nas proximidades. "Um aviso foi recebido recentemente sobre planos de atacar judeus e israelenses em Praga", informou uma fonte do serviço de segurança. A capital da República Checa é um destino popular para os israelenses. Seus quarteirões judeus centenários atraem centenas de milhares de visitantes e peregrinos judeus todos os anos. Também seriam potenciais alvos de ataques para os judeus a Etiópia, a África do Sul, a Eritréia e certas áreas da Tailândia.

Agencia Estado,

08 Dezembro 2002 | 15h52

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.