Al-Qaeda ameaça EUA e Grã-Bretanha

Sulaiman Abu Ghaith, porta-voz da rede terrorista al-Qaeda, liderada por Osama bin Laden, alertou hoje os Estados Unidos e a Grã-Bretanha para deixarem a Península Arábica. Caso contrário, "deverão encarar uma represália em grande escala contra seus objetivos". A advertência não especificou se a ameaça se limita apenas aos territórios dos EUA e da Grã-Bretanha ou se se refere também a objetivos dos dois países em todo o mundo. Ghaith, falando em um vídeo veiculado pela rede de televisão a cabo Al-Jazeera, com sede no Catar, alertou também norte-americanos e britânicos, principalmente muçulmanos e crianças, para que evitem viajar de avião ou permanecer em edifícios altos, em uma clara indicação de que novos atentados terroristas podem acontecer. Ele criticou também o presidente dos EUA, George W. Bush, e seu pai, o ex-presidente George Bush, assim como o ex-presidente Bill Clinton e o primeiro-ministro de Israel, Ariel Sharon, "por suas terríveis práticas e os piores crimes contra milhões de muçulmanos". "Milhões de muçulmanos, homens, mulheres e crianças, morreram sem culpa", disse Ghaith, assegurando que "seu sangue não foi derramado em vão". Ele disse que tais líderes estão no topo da lista de "sionistas e cruzados". "Eles não escaparão do castigo". Segundo o porta-voz, o comunicado foi gravado no quinto dia dos ataques militares contra o Afeganistão.

Agencia Estado,

13 Outubro 2001 | 18h51

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.