Al-Qaeda ameaça fazer novos ataques contra Arábia Saudita

A rede extremista Al-Qaeda lançará mais atentados contra as instalações petroleiras sauditas empregando militantes suicidas, informou o grupo por meio de um comunicado divulgado neste sábado em uma página na internet na qual reivindicou o ataque contra a usina de Abikaik, no leste da Arábia Saudita.Ontem, dois militantes suicidas tentaram detonar seus automóveis carregados de explosivos em Abikaik, onde encontra-se aquela que é considerada a maior refinaria de petróleo do mundo, mas agentes de segurança abriram fogo e os veículos explodiram perto da entrada da usina, matando os dois suspeitos. Dois agentes de segurança da instalação feridos no incidente morreram mais tarde no hospital, revelou neste sábado o Ministério de Interior da Arábia Saudita.O comunicado divulgado neste sábado na internet é assinado pela rede Al-Qaeda na Península Arábica, o ramo do grupo fundado pelo milionário saudita no exílio Osama bin Laden. Ali Naimi, ministro de Hidrocarbonetos da Arábia Saudita, assegurou que o atentado frustrado "não afetará as operações" e que o país manterá suas exportações de petróleo.Entretanto, as explosões elevaram bruscamente a cotação do petróleo no mercado internacional que chegou a alcançar o preço de US$ 62,91 por barril na tarde da última sexta-feira. Naimi reuniu-se neste sábado em Riad com o secretário de Comércio dos Estados Unidos, Carlos Gutiérrez, e assegurou que o reino "continuará assegurando o fluxo de petróleo, apesar das ameaças terroristas", revelou uma fonte no governo saudita.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.