Al-Qaeda anuncia rompimento com grupo que atua na Síria

Rompimento ocorre depois de líder da Isil ter desobedecido sucessor de Bin Laden

O Estado S. Paulo,

03 de fevereiro de 2014 | 12h33

A rede terrorista Al-Qaeda anunciou nesta segunda-feira, 3, ter rompido suas ligações com o Estado Islâmico do Iraque e do Levante (Isil), um grupo radical sunita que atua na Síria e no Iraque.  A ruptura, segundo analistas, parece ser uma tentativa da Al-Qaeda de colocar a casa em ordem e reafirmar sua influência entre grupos islâmicos rivais, que passaram a brigar entre si na Síria.

Assinado pelo "comando geral" da Al-Qaeda", o comunicado diz que a liderança cortou ligações com o grupo , liderado por Abu Bakr al-Baghdadi, depois de ele não ter obedecido as ordens do líder da rede terrorista, Ayman al-Zawahri.

Leia Também

O conflito sírio

Em maio, Al-Zawahri ordenou que o Estado Islâmico do Iraque operasse de forma independente do braço rival da Al-Qaeda na Síria, a Frente Nusra, liderada por Abu Mohammed al-Golani. Al-Baghdadi rejeitou as ordens de Al-Zawahri e tentou, sem sucesso, fundir os dois grupos.  No comunicado desta segunda-feira, a Al-Qaeda disse que "não aprova a criação nem controla" o Estado Islâmico do Iraque e, portanto, não tem "ligações organizacionais com o grupo".

"Nós nos distanciamos da insubordinação que acontece entre as facções mujahedin (na Síria) e do sangue proibido derramado por qualquer facção", diz o documento, a respeito dos conflitos internos entre os extremistas islâmicos.

Os jihadistas, ou guerreiros sagrados, diz o texto, deveriam entender a "enormidade da catástrofe" e as implicações " que esta insubordinação pode ter na guerra santa na Síria. A autenticidade do comunicado não pôde ser verificada de forma independente, mas ele foi postado em sites que geralmente são usados pela Al-Qaeda.

Para Charles Lister, do Brookings Doha Center, a declaração da Al-Qaeda reflete sua "tentativa de definitivamente reassumir algum nível de autoridade sobre a jihad na Síria". O comunicado mostra também o fracasso de liderança da Al-Qaeda em comandar genuinamente a rivalidade entre o Estado Islâmico do Iraque e a Frente Nusra, o que tornou inevitável para al-Zawahiri emitir uma resolução esclarecendo as consequências das decisões do grupo desobediente. /AP 

Notícias relacionadas

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.