Al-Qaeda assume atentado no Iêmen e o classifica como resposta aos EUA

Rede terrorista alerta para mais ataques caso americanos não cessem campanha militar

Reuters

21 Maio 2012 | 14h57

 

SANAA - O braço da Al-Qaeda na Península Arábica, com base no Iêmen, assumiu a responsabilidade pelo atentado que matou mais de 90 pessoas no país árabe nesta segunda-feira, 21, e afirmou que o ataque é uma revanche pelo que chamou de "guerra dos Estados Unidos" contra seus seguidores no sul do Iêmen. O grupo ainda confirmou que o alvo da ação era o ministro da Defesa e seus principais comandantes.

 

Veja também:
especialESPECIAL: 
As franquias da Al-Qaeda

 

Por comunicado, o grupo ainda alertou que mais ataques acontecerão se a campanha militar dos americanos no Iêmen na província de Abyan, no sul, não for interrompida.

 

"Vamos ter revanche, se Deus quiser, e as chamas da guerra vão atingir vocês em todos os lugares, e o que aconteceu é apenas o começo de um projeto de jihad em defesa da honra e de divindades", disse o comunicado aos comandantes militares iemenitas.

 

O atentado ocorreu na praça Sabein, onde estavam o ministro da Defesa, Mohamed Naser Ahmad, e o chefe de Estado-Maior, Ali al Ashual. Ambos saíram ilesos, mas cerca de 222 pessoas ficaram feridas. Todas as vítimas eram recrutas da polícia ou do Exército.

 

Segundo um oficial, o suicida detonou os explosivos que trazia junto ao corpo no meio de um batalhão que ensaiava a realização de uma parada para comemorar o 22º aniversário da unificação do sul e norte do Iêmen. O terrorista estava vestido com uniforme militar e estava infiltrado nas colunas.

 

Trata-se do mais violento ataque ocorrido na cidade nos últimos meses. "Foi um verdadeiro massacre", disse Ahmed Sobhi, um dos soldados que estava no local. "Havia corpos despedaçados por todo lado. É inacreditável."

 

O Iêmen é um dos países mais pobres do Oriente Médio. Recentemente, foi palco de revoltas populares contra o ex-presidente Ali Abdullah Saleh, na chamada primavera árabe, o que enfraqueceu as instituições locais de governo e segurança. O Iêmen ainda serve como base para o braço da Península Arábica da Al-Qaeda.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.