Reuters
Reuters

Al-Qaeda assume tentativa de ataque a avião no Natal

Grupo afirma que atentado foi em represália aos ataques dos EUA ao grupo terrorista no Iêmen

Agência Estado e Reuters

28 de dezembro de 2009 | 18h12

A Al-Qaeda na Península Arábica reivindicou o ataque fracassado de 25 de dezembro contra um avião norte-americano, num comunicado postado em um website islâmico, disseram organizações dos Estados Unidos que monitoram mensagens extremistas.

 

O grupo afirma que o ato foi uma vingança contra os EUA pelos ataques que Washington vem fazendo contra a Al-Qaeda no Iêmen.   O grupo também pediu o assassinato de funcionários de embaixadas ocidentais na região como parte de uma "guerra de Cruzada".

O comunicado, que foi acompanhado por uma fotografia do suspeito de realizar a tentativa do ataque, o nigeriano Umar Farouk AbdulMutallab, se orgulhou de que o "irmão nigeriano" tenha enganado todas as barreiras de segurança para sua fracassada operação, afastando o "grande mito" da inteligência americana, disse o SITE Intelligence, grupo que monitora sites de extremistas.

O comunicado afirma que AbdulMutallab usou tecnologia de explosivos desenvolvida no "departamento de manufatura" dos mujahedin da Al-Qaeda na Península Arábica.

O ramo da Al-Qaeda reconhece que uma "falha técnica" provocou o fracasso da operação, acrescentou o comunicado. Outro grupo dos EUA que monitora websites de extremistas, o Intelcenter, também reportou o mesmo comunicado. Se bem-sucedido, AbdulMutallab, de 23 anos, teria derrubado um avião da Northwest Airlines, que transportava 290 pessoas de Amsterdã a Detroit no dia último dia 25.

 

Casa Branca

 

O presidente Barack Obama, atualmente de férias no Havaí, irá fazer uma declaração nesta segunda-feira, 28,sobre o incidente, quando também revelará os passos que administração tem tomado para garantir a segurança aérea, segundo o porta-voz da Casa Branca, Bill Burton.

 

"Ele acredita que é fundamental aprender com este incidente e tomar as medidas necessárias para prevenir atos futuros de terrorismo, e ele fará referência ao fato de que precisamos continuar

a pressão sobre aqueles que atacaram nosso país", disse Burton.

 

O governo Obama admitiu nesta segunda que o incidente no Natal representou um fracasso na segurança de viagens aéreas. Perguntado no Show da NBC "Today" nesta segunda se a segurança do sistema "falhou miseravelmente", o secretário de Segurança Interna dos EUA, Janet Napolitano, respondeu: "sim."

As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
Estados UnidosaviãoAl-Qaeda

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.