Al-Qaeda convoca os mulçumanos para "guerra santa"

Em novo vídeo divulgado nesta quinta-feira, o número dois da Al Qaeda, o egípcio Ayman Al-Zawahiri, pediu para que os mulçumanos se levantem em prol da "Guerra Santa" contra Israel e se juntem à luta no Líbano e Gaza até que o Islã reine da Espanha ao Iraque.No vídeo divulgado pela TV Al-Jazira, al-Zawahiri afirmou que a organização "não ficará de braços cruzados" em relação aos ataques israelenses na Faixa de Gaza e no Líbano. Zawahiri pediu que os muçulmanos se unam para enfrentar a "aliança dos sionistas e cruzados".Ele pediu para que os muçulmanos apóiem os "mujahedins" (combatentes islâmicos) no Afeganistão e no Iraque para expulsar "as forças ocupantes que terão que pagar o preço de seus ataques contra a terra do Islã". No vídeo, o número dois diz que a guerra com Israel não depende de cessar-fogo. "Nós atacaremos todos os lugares", ameaçou.O egípcio afirmou ainda que o objetivo da organização terrorista é "libertar toda aquela que algum dia foi terra do Islã, de Al-Andalus (na atual Espanha) ao Iraque", segundo a gravação. A Espanha era controlada pelo mulçumanos até eles deixarem o poder no século XVI. "Eles nos atacam em todos os lugares e temos que fazer o mesmo. Eles nos atacam unidos e temos que atacá-los unidos", afirmou. No mesmo vídeo, ele declara que todos os regimes árabes devem lutar contra Israel. "Façam de vocês mártires", pede.Al-Zawahiri vestia manto cinza e turbante branco. Um quadro do World Trade Center queimando serviu de cenário para o vídeo. A TV árabe não transmitiu o vídeo inteiro, apenas editou partes com comentários do âncora. Sabe-se o vídeo completo tem 8 minutos e só 4 minutos foram divulgados.A emissora não comenta como recebeu o vídeo.A última vez que al-Zawahiri apareceu em vídeo foi no aniversário de 1 ano dos atentados terroristas no metrô de Londres. No dia 7 de Julho, o vídeo mostrou dois dos quatro homens-bomba treinando no campo do Al-Qaeda e se preparando para a missão.

Agencia Estado,

27 de julho de 2006 | 09h06

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.