Al-Qaeda diz que teve ajuda de policiais sauditas

A célula da Al-Qaeda que seqüestrou e matou o americano Paul M. Johnson Jr. afirmou num periódico online que simpatizantes, dentro das forças de segurança do reino, forneceram-lhe uniformes e veículos da polícia para montar um posto de controle falso no qual ocorreu o seqüestro da semana passada. Os detalhes do seqüestro apareceram no Sawt al-Jihad, ou Voz da Guerra Santa, um periódico online quinzenal publicado pela Al-Qaeda na Península Arábica. Um outro artigo, o último escrito pelo líder da célula, Abdulaziz al-Moqrin, morto num tiroteio na sexta-feira à noite, justificava o assassinato de Johnson. O primeiro artigo dizia que militantes vestindo uniformes da polícia e usando carros policiais estabeleceram uma barreira policial falsa na Rodovia al-Khadma, que conduz ao aeroporto, nas proximidades da Universidade Imã Mohammed bin Saud. Quando o carro de Johnson se aproximou do posto, em 12 de junho, os militantes em uniformes policiais fizeram-no parar e depois o detiveram. O americano foi então anestesiado e levado para um outro veículo, diz o artigo. O artigo afirma também que os militantes decidiram decapitar Johnson quando Adel al-Jubeir, o consultor de relações exteriores em Washington do príncipe Abdallah, declarou que a Arábia Saudita não negociaria com os seqüestradores, que tinham exigido a libertação de militantes da Al-Qaeda presos em troca da vida de Johnson.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.