Al-Qaeda é principal suspeita de atentado em Bali

A organização terrorista Al-Qaeda,liderada pelo saudita Osama bin Laden, é a principal suspeita deter cometido o atentado que matou pelo menos 187 pessoas, boaparte turistas estrangeiros na ilha indonésia de Bali, namadrugada de hoje (pelo horário local). Altos funcionários dosetor de segurança indonésio estão concentrando as investigaçõesno grupo Jemaa Islamiya, tido como o braço direito da Al-Qaedano Sudeste Asiático.A ação contra a discoteca coincidiu com o segundo aniversáriodo atentado contra o destróier americano USS Cole no Iêmen,também atribuído a Al-Qaeda e no qual morreram 17 marinheiros. Ogoverno americano ofereceu ajuda nas investigações e oprimeiro-ministro da Austrália (país com grande número devítimas), John Howard, criticou o pouco empenho da Indonésia naluta contra os extremistas islâmicos. "Gostaríamos de ver omáximo esforço do governo da Indonésia para tratar dentro desuas fronteiras do problema do terrorismo", disse Howard ajornalistas, depois de telefonar para a presidente indonésia,Megawatti Sukarnoputri, que visitou os feridos em Bali.Há fortes suspeitas de que um ataque contra marinesamericanos no Kuwait na semana passada - no qual um deles foimorto - e o atentado contra um petroleiro francês, no domingoretrasado, tenham por trás grupos ligados à Al-Qaeda. Segundoo New York Times, fontes no governo americano consideram queesses atos mostram "a reconstituição da Al-Qaeda, com pequenosgrupos prontos para novos ataques".Para o ministro de Relações Exteriores da Austrália - um dospaíses com o maior número de vítimas na discoteca -, AlexanderDowner, o atentado demonstrou que a Al-Qaeda continua viva e comcapacidade para atuar com a ajuda de várias organizaçõesislâmicas espalhadas pelo mundo, estendendo sua frente de guerracontra o Ocidente.O suposto líder da Jamaah Islamiya, Abu Bakar Ba´asyir, de 64anos, negou participação do grupo e, durante uma entrevistacoletiva à imprensa, acusou os EUA de estarem por trás doataque. Diretor de uma escola de Java, Ba´asiyr manifestousimpatia por Bin Laden. Vários países tem pressionado aIndonésia a prendê-lo, mas as autoridades dizem não ter provascontra ele. Ba´asyir tem simpatizantes no governo da presidentedo país, Megawatti Sukarnoputri, que teme indispor-se com asentidades moderadas islâmicas de cujo apoio depende.Os governos da Malásia e de Singapura sustentam que oprincipal objetivo dessa organização é provocar o caos paracriar um Estado islâmico abrangendo a Indonésia e outras naçõesmuçulmanas do Sudeste Asiático. Fontes na Malásia dizem que aJamaah recrutou militantes da Al-Qaeda que fugiram doAfeganistão e Paquistão nos últimos meses.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.