Al-Qaeda explorou "falhas institucionais" dos EUA

O relatório final da comissão que investigou os atentados de 11 de setembro de 2001 contra os Estados Unidos conclui que os terroristas que levaram ação acabo exploraram ?profundas falhas institucionais dentro de nosso governo? por um longo período de tempo. O texto não acusa nem o presidente George W. Bush nem seu antecessor, Bill Clinton, pelos erros, de acordo com autoridades familiarizadas com o relatório, que será divulgado amanhã, descreve a paciência e tenacidade dos terroristas e diz que eles exploraram as deficiências dos procedimentos das companhias aéreas e das fronteiras, fazendo até mesmo vôos de ensaio para ver quando a porta da cabine de comando era aberta.O relatório conclui que tanto Bush quanto Clinton levavam a ameaça da Al-Qaeda a sério e estavam ?genuinamente preocupados com o perigo representado? pela rede terrorista, segundo a fonte. O texto diz que nenhum dos presidentes deve ser responsabilizado por falhar em impedir os ataques, que foram a culminação de anos de planejamento.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.