Al-Qaeda no Iraque afirma ter 12 mil combatentes

LF: O número um da organização terrorista no Iraque também se referiu às eleições americanas e à derrota dos republicanos, que qualifica de "um passo no caminho certo" Em mensagem de áudio divulgada nesta sexta-feira na internet, a organização terrorista Al-Qaeda no Iraque afirmou que conta com 12 mil combatentes mobilizados e garantiu que o grupo está vencendo a guerra do Iraque. O grupo também comemorou a derrota democrata nas eleições legislativas americanas de terça-feira, a qual classificou como "razoável". "Digo ao líder dos fiéis que estou a sua disposição. Coloco sob seu comando 12 mil lutadores que estão no Exército da Al-Qaeda", diz uma voz atribuída a Abu Al-Masri, suposto líder da Al-Qaeda no Iraque. A veracidade da longa gravação, de mais de 20 minutos, não pôde ser comprovada. A voz atribuída ao líder da Al-Qaeda no Iraque se põe à disposição de Abu Omar el-Baghadadi, suposto líder do Emirado Islâmico do Iraque - decretado há meses por várias organizações terroristas. Além dos 12 mil combatentes no Iraque, Masri afirmou que Al-Qaeda dispõe de outros 10 mil mujahedins (guerreiros santos) à espera de serem "equipados" para participar da luta. Eleições O número um da organização terrorista no Iraque também se referiu às eleições americanas e à derrota dos republicanos, que qualifica de "um passo no caminho certo". "O povo americano deu o passo certo ao perceber que seu presidente o trai ao apoiar Israel", disse a voz atribuída ao líder da Al-Qaeda no Iraque. "Então eles votaram por algo razoável nas últimas eleições", concluiu. Descrevendo o presidente George w. Bush como "o presidente mais estúpido" da história americana, o líder da Al-Qaeda afirmou que seu grupo está ganhando a guerra do Iraque mais rápido do que esperava. Ele também pediu que Bush mantenha-se "fiel ao campo de batalha" para que a Al-Qaeda tenha mais oportunidades de combater soldados americanos. Masri acrescentou que o secretário de Defesa dos EUA, Donald Rumsfeld, que anunciou sua renúncia após a vitória democrata, "fugiu do campo de batalha". "Nós pedimos que o pato manco não apresse sua fuga como fez seu ministro (sic) da Defesa", disse Masri, referindo-se a Bush pela expressão utilizada pelos americanos para descrever presidentes fracos em fim de mandato. Caso seja confirmada a veracidade da mensagem, esta seria a primeira prova de que o líder terrorista continua vivo, depois que no mês passado circularam rumores sobre sua morte no Iraque. Texto ampliado às 18h54

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.