Al-Qaeda no Iraque anuncia sucessor de Zarqawi

A organização terrorista Al-Qaeda anunciou nesta segunda-feira que um miliciano de nome Abu Hamza al-Muhajer será o substituto do jordaniano Abu Musab al-Zarqawi à frente da organização no Iraque.O anúncio veio a público no mesmo momento em que médicos peritos americanos confirmam que a morte do terrorista jordaniano aconteceu devido à explosão. Oficiais do exército dos EUA descartaram a possibilidade de que soldados da coalizão tenham espancado Zarqawi enquanto ele estava vivo.A nacionalidade do novo líder da Al-Qaeda no Iraque ainda é desconhecida, mas o termo Muhajer, significa "imigrante" em árabe, sugerindo que o novo líder não é iraquiano. A Al-Qaeda no Iraque é integrada majoritariamente por militantes naturais de outros países."A direção da Al-Qaeda no Iraque concordou com a nomeação do xeque Abu Hamza al-Muhajer para suceder Abu Musab al-Zarqawi à frente da organização", dizia uma declaração assinada em nome do grupo na internet. De acordo com e mensagem, Muhajer é "um amado irmão com experiência em guerra santa". Não foi possível confirmar junto a fontes independentes a autenticidade da declaração.O corpoA autópsia feita no corpo do líder do grupo terrorista Al-Qaeda no Iraque, o jordaniano Abu Musab al-Zarqawi, revelou que ele morreu devido aos ferimentos causados pelas explosões, que prejudicaram seus pulmões gravemente. Os médicos peritos do exército dos Estados Unidos acrescentaram ainda que não havia nenhuma evidência de espancamento ou ferimentos de bala no corpo do terrorista.A morte ocorreu devido à deterioração do estado dos pulmões de Zarqawi, disse o médico perito que cuidou da autópsia, Steve Jones, em uma entrevista televisionada. Autoridades afirmaram que Zarqawi sobreviveu por mais 52 minutos após o bombardeio americano.Em um resumo das ações do dia, o porta-voz do exército americano, major general William Caldwell, reiterou que não há sinais de que tropas houvessem sido posicionadas previamente no local de ataque e que o bombardeio foi uma ação "oportunista e rápida" por parte das forças armadas iraquianas e americanas.Segundo o relatório de Caldwell, as tropas americanas chegaram ao esconderijo de Zarqawi 28 minutos após o bombardeio e já encontraram as forças iraquianas no local.O principal comandante americano no Iraque, general George W. Casey Jr., classificou como "idiotices" as informações divulgadas a respeito de uma testemunha que teria visto soldados americanos espancando Zarqawi enquanto este agonizava no chão.Médicos do exército e autoridades forenses do Departamento da Defesa examinaram o corpo de Zarqawi e de seu guia espiritual, xeque Abdul al-Rahman, que também foi morto em decorrência dos ferimentos durante o bombardeio. Segundo os peritos, seu corpo foi jogaddo contra um "objeto duro" pela força da explosão. Al-Rahman sofreu fratura craniana, lacerações e outros ferimentos mais sérios que Zarqawi e morreu imediatamente.O exército americano, no entanto, entrou em contradição, pois de acordo com as declarações iniciais, os soldados teriam encontrado o terrorista morto quando chegaram ao seu esconderijo bombardeado.Os testemunhos sobre a chegada do exército americano à cena diferem muito entre si. Segundo uma das testemunhas, forças iraquianas colocaram o corpo de Zarqawi na ambulância logo após o bombardeio, mas este foi retirado assim que as tropas americanas chegaram. Ainda de acordo com essa testemunha, o terrorista teria sido espancado antes de ser devolvido à ambulância. Já uma segunda pessoa diz que quando as forças americanas chegaram, os soldados tentaram reviver Zarqawi com massagens torácicas. Investidas contra a Al-Qaeda no IraqueLogo após a morte de Zarqawi, as forças americanas anunciaram que conseguiram muitas informações cruciais da Al-Qaeda no esconderijo do terrorista. Com essas informações, os Estados Unidos voltaram à carga, em ações rápidas e, muitas vezes, durante a noite.Um ataque promovido pelos Estados Unidos contra um suposto esconderijo rebelde a nordeste de Bagdá levou à morte de pelo menos nove pessoas, inclusive duas crianças, informou nesta segunda-feira o comando militar americano.O alvo do ataque foi um suposto esconderijo rebelde nos arredores de Baquba, cerca de 60 quilômetros a nordeste de Bagdá. Um tiroteio foi iniciado depois da ofensiva dos insurgentes. As crianças teriam morrido na troca de tiros. O local atacado fica próximo do esconderijo onde Zarqawi foi morto.De acordo com a versão do exército dos EUA, seus soldados "foram recebidos por disparos inimigos de metralhadoras. Dois indivíduos armados com fuzis AK-47 foram vistos fugindo do local pouco depois do início da ofensiva".Os soldados em solo foram apoiados por aviões americanos, "suprimindo imediatamente o fogo inimigo e matando sete" insurgentes. Pelo menos três pessoas ficaram feridas.Moradores acusaram os soldados americanos de atacarem civis. Homens carregavam o corpo carbonizado de um menino cuja cabeça quase foi arrancada.O comunicado militar alegava que as forças americanas esforçam-se ao máximo para evitar riscos a pessoas inocentes e lamentou a existência de mortos e feridos entre os civis.Matéria atualizada às 15h55

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.