Al-Qaeda no Magreb Islâmico anuncia execução de refém francês

Michel Germaneau foi sequestrado em abril no Níger; governo francês não tem confirmação de sua morte

Efe,

25 de julho de 2010 | 17h27

NUAKCHOT- A organização terrorista Al-Qaeda no Magreb Islâmico (AQMI) anunciou neste domingo, 25, a execução do refém francês Michel Germaneau, sequestrado em abril no Níger. A mensagem foi anunciada em uma gravação transmitida pelo canal árabe Al-Jazira.

 

Veja também:

especialEspecial: As franquias da Al-Qaeda

 

O líder da AQMI, Abu Musab Abdul Wadud, afirma no comunicado que "(o presidente francês, Nicolas) Sarkozy não conseguiu liberar seu compatriota nesta operação fracassada; abriu sobre ele mesmo e sobre seu povo uma das portas do inferno".

 

O gabinete de Sarkozy afirmou que não tem confirmação da morte do francês, e que ainda está tentando verificar a informação. Segundo uma fonte do governo, o presidente convocará uma reunião de segurança amanhã para discutir a questão.

 

Wadud acrescenta que a rede extremista, "como reação urgente à covarde ação de França, executou o refém francês Germaneau com o fim de vingar a morte de nossos seis irmãos na desonesta operação".

 

A Mauritânia e a França realizaram na última quinta um ataque contra membros da AQMI no território de Mali e mataram seis supostos terrorista, enquanto outros quatro, um deles ferido, conseguiu escapar, segundo o governo mauritano.

 

Segundo confirmaram fontes do Ministério de Defesa francês, militares franceses deram apoio técnico e logístico à ofensiva para tentar liberar Germaneau, de quem não tinham recebido nenhuma prova de vida desde maio.

 

Uma segunda operação militar levada a cabo pela Mauritânia contra os terroristas da Al-Qaeda foi finalizada no sábado.

 

Germaneau e seu guia argelino foram sequestrados por um grupo de homens armados no norte do Níger próximo a fronteira com a Argélia. O guia foi abandonado dez dias depois do sequestro, sem ferimentos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.