Al-Qaeda no miolo da África

A cidade de Timbuctu, no coração do Sahel, estaria nas mãos dos islâmicos. Não é certo, mas a inquietação é grande. Testemunhas descrevem o caos absoluto na região. Timbuctu, que se encontra na margem do vasto deserto do Saara, está localizada na parte norte do Mali, cuja capital é Bamako.

GILLES LAPOUGE - O Estado de S.Paulo

13 de abril de 2012 | 03h03

Há alguns dias, um golpe militar, sob o comando do capitão Sanogo, destituiu o governo. Uma junta militar assumiu a direção em Bamako. Logo em seguida, uma parte do Mali, exatamente a região desértica do Saara, declarou que não se submeteria mais a Bamako e assumia o controle da parte saariana do país, com o objetivo de ressuscitar o Estado de Azawad.

Bem, tudo já é um pouco complicado, mas nas horas que se seguiram a situação piorou, uma vez que dois outros grupos de guerreiros surgiram na parte saariana do Mali. Dois grupos diferentes mas que têm em comum uma ideologia: ambos são formados por extremistas islâmicos.

O primeiro grupo é conhecido. Trata-se da Al-Qaeda do Magreb Islâmico, que há três anos vêm sequestrando europeus, às vezes para conseguir resgates milionários, outras simplesmente para assassiná-los. O segundo grupo, que até agora não era conhecido, denomina-se Ansar Dine, é comandado por Iyad ag Ghaly e também se afirma islâmico radical (salafista). Assim como o primeiro, declarou que pretende instaurar nessa parte saariana do Mali um Estado islâmico, um califado, e decretar a sharia, a medonha Justiça corânica, com mutilações, apedrejamentos etc.

Como desenrolar esse emaranhado? É em Timbuctu que a situação é mais confusa. Com as poucas informações que chegam, podemos propor esse cenário: a cidade estaria nas mãos dos islâmicos, da Al-Qaeda ou do Ansar Dine, ou sob o controle das suas facções ao mesmo tempo.

No entanto, em torno da cidade, estariam os guerreiros tuaregues que não se ocupam de religião, mas também pretendem recriar o antigo Estado tuaregue de Awazad, separando-se do Mali. Essa é uma situação crítica do ponto de vista geográfico. Timbuctu (e o norte do Mali) está no coração da África, entre a África do Sahel e a África negra. Acrescente-se a isso uma enorme carga simbólica.

Essa é a "cidade dos 333 santos" e foi uma das grandes capitais da África. No século XVI tinha 100 mil habitantes (hoje são 33 mil). Uma universidade resplandecente, com 25 mil alunos.

Cidade soberba, tombada pelo Patrimônio Mundial da Unesco, Timbuctu é uma espécie de farol para os africanos. Abriga as maiores bibliotecas da África Central. Orgulha-se de possuir mais de 100 mil manuscritos raros, arquivados há séculos nas bibliotecas privadas da cidade, textos não encontrados em nenhum lugar, verdadeiros tesouros.

Há uma frase que diz: "O sal vem do norte. O ouro vem do sul. O dinheiro vem do país dos brancos. Mas a palavra de Deus e as coisas santas, você só encontrará em Timbuctu".

Essa é a joia rara cuja paz foi violada pela guerra. Esta é a cidade que talvez tenha sido tomada pelos discípulos da Al-Qaeda. Mas a situação está tão instável e tão obscura que talvez nos dê o direito de esperar que a ordem política seja restabelecida. TRADUÇÃO DE TEREZINHA MARTINO

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.