Al-Qaeda oferece recompensa por morte de embaixador

O braço da organização fundamentalista islâmica Al-Qaeda no Iêmen ofereceu uma recompensa em ouro equivalente a US$ 160 mil para qualquer um que mate o embaixador dos Estados Unidos em Sana, capital do país. O grupo também afirmou que pagará cinco milhões de riais iemenitas (US$ 23 mil) pela morte de um soldado norte-americano posicionado no país.

AE, Agência Estado

31 de dezembro de 2012 | 13h56

Publicada no site da Al-Qaeda no sábado (29), uma mensagem em áudio gravada pela Fundação al-Malahem, equipe de mídia dos militantes, dizia que três quilos de ouro estavam sendo oferecidos pela morte do embaixador Gerald Feierstein. Segundo o grupo, a oferta é válida por seis meses.

A recompensa foi criada para "inspirar e encorajar a nação muçulmana para a jihad", dizia o comunicado. A embaixada dos Estados Unidos em Sana não respondeu aos telefonemas da Associated Press para comentar sobre o assunto. As informações são da Associated Press.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.