Al-Qaeda pede que sudaneses iniciem levante contra Ocidente

Para Ayman al-Zawahiri, ordem de prisão contra presidente é pretexto para ingerência nos 'países muçulmanos'

Efe,

24 de março de 2009 | 16h17

O número dois da Al-Qaeda, Ayman al-Zawahiri, pediu nesta segunda-feira, 24, que os sudaneses iniciem um levante armado contra o Ocidente, após a emissão de uma ordem de detenção internacional contra o presidente do Sudão, Omar al-Bashir. "Preparem-se para uma longa guerra de guerrilhas, pois a campanha cruzada contemporânea mostrou seus dentes", disse Zawahiri, em gravação colocada em um site islâmico, cuja autenticidade não pôde ser verificada.

 

Veja também:

linkPresidente do Sudão faz 1ª viagem após ordem de prisão

especial Especial: O histórico de conflitos no Sudão

 

Para Al-Zawahiri, a ordem de detenção ditada pelo Tribunal Penal Internacional (TPI) contra Bashir é só um pretexto, já que "o problema não é sobre Darfur, e sim que (o Ocidente) precisa criar desculpas para uma maior ingerência nos países muçulmanos, dentro da cruzada sionista". No último dia 4, o TPI ordenou a detenção de Bashir por crimes de guerra e de lesa-humanidade na região sudanesa de Darfur, no oeste do país.

 

"Gostaria de mandar a nosso querido e paciente povo muçulmano sudanês uma mensagem. Digo a todos: vocês são um alvo para que o islã seja eliminado do Sudão. É preciso entender isso. E para que o Islã seja eliminado do Sudão, é preciso encontrar uma justificativa para uma intervenção militar do Ocidente", disse Zawahiri.

 

Segundo o "número dois" da Al-Qaeda, o regime de Cartum é fraco demais para defender seu povo, e por isso os sudaneses devem seguir o exemplo dos "irmãos do Iraque e da Somália". Apesar de criticar a decisão do TPI, Zawahiri quis deixar claro na gravação, de aproximadamente 15 minutos, que não estava defendendo "nem Bashir, nem seu regime, e nem o que está acontecendo em Darfur."

 

"O regime de Bashir está colhendo o que semeou, ao se submeter às pressões dos Estados Unidos e expulsar a os mujahedins (combatentes da guerra santa) que tinham se refugiado no Sudão, especialmente o xeque Osama bin Laden", apontou Zawahiri. Mesmo assim, o dirigente da Al-Qaeda assinalou que o governo de Cartum e Bashir ainda têm a oportunidade de se arrepender e voltar ao caminho correto "do islã e da terra santa", abandonar as manobras políticas, e aplicar a "Sharia" (lei islâmica) de uma forma correta no Sudão.

 

Assassinato

 

Um funcionário sudanês de uma ONG canadense foi assassinado por um grupo armado na região de Darfur, no oeste do Sudão, informaram nesta segunda-feira fontes da organização humanitária. O diretor da Associação para a Ajuda da África (FAR, em inglês) em Darfur, Mark Simmons, declarou à imprensa que Adam Khatir foi morto a tiros em sua casa na segunda-feira, em uma zona isolada do oeste de Darfur.

 

Segundo Simmons, o grupo armado fez uma emboscada para roubar o telefone via satélite da vítima. Como Khatir não estava com o aparelho, os criminosos o acompanharam até sua casa, onde o objeto não foi encontrado, o que motivou o assassinato. O diretor da FAR lembrou que a organização realiza atividades humanitárias em Darfur há 24 anos e emprega cerca de 200 cidadãos sudaneses.

 

No último dia 11, o Escritório de Coordenação de Assuntos Humanitários das Nações Unidas (OCHA, em inglês), com sede em Genebra, informou que quase 200 trabalhadores humanitários abandonaram o Sudão e os que ficaram costumam sofrer ameaças. As pressões contra as organizações humanitárias estrangeiras em Darfur começaram a aumentar depois de o governo sudanês ter expulsado 13 desses grupos do país há pouco mais de duas semanas.

Tudo o que sabemos sobre:
Al-QaedaDarfurSudão

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.