Al-Qaeda planejava ataque contra embaixada na Indonésia

Cinco supostos membros da rede Al-Qaeda de Osama bin Laden chegaram em julho à Indonésia vindos do Iêmen, com o plano de explodir a embaixada dos EUA em Jacarta revelou um alto funcionário americano em Jacarta. Mas as autoridades indonésias não tomaram nenhuma iniciativa a respeito, permitindo que os suspeitos deixassem o país após terem sido descobertos, disse o funcionário, que pediu para ser mntido no anonimato. Os diplomatas americanos desconfiam que as autoridades indonésias expulsaram o bando para evitar um confronto com seus membros. O incidente, que não havia sido divulgado antes, joga luzes sobre a atitude ambivalente do governo e dos indonésios em relação aos radicais islâmicos do país e do exterior que supostamente pertencem à rede Al-Qaeda. O fato também ilustra as dificuldades que os EUA poderiam enfrentar se estenderem sua guerra contra a Al-Qaeda e grupos terroristas a ela ao Sudeste da Ásia, onde uma efetiva colaboração com os governos amigos e as forças de segurança seria indispensável para o sucesso de tal campanha. O ministro indonésio da Segurança, Susilo Bambang Yudhoyono, não quis comentar hoje a respeito das allegaçòes, mas disse que as agências de segurança do governo estão monitorando supostos terroristas. O chefe da polícia, general Da´i Bachtiar, disse n ao ter recebido informações sobre o suposto complô. Há informações de que extremistas ligados a Bin Laden teriam estabelecido células na Malásia e em Cingapura. E um contingente de tropas americanas se encontra nas Filipinas para treinar soldados filipinos no combate aos guerrilheiros do grupo Abu Sayyaf nas selvas da ilha de Basilan, próxima à costa norte da Indonésia.

Agencia Estado,

23 Janeiro 2002 | 21h24

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.