Al-Qaeda planejou ataque com gás letal no metrô de Nova York

A rede terrorista Al-Qaeda planejou usar gás letal no metrô de Nova York em 2003, mas desistiu do ataque 45 dias antes por decisão do "número dois" da organização, Ayman Al-Zawahiri, segundo partes de um livro publicadas neste domingo pela Time.Um informante próximo à direção da Al-Qaeda revelou aos serviços secretos americanos que Zawahiri cancelou o plano em janeiro de 2003, apenas um mês e meio antes de ser executado, revela o jornalista Ron Suskind, ganhador de um prêmio Pulitzer, no livro "The One Percent Doctrine".A célula encarregada do ataque ao metrô nova-iorquino tinha projetado um sistema que permitiria lançar o gás em vários vagões, através de uma bomba simples, mas eficaz, que a CIA conseguiu reproduzir com o material encontrado no computador de um terrorista detido em fevereiro de 2003 na Arábia Saudita.Segundo Suskind, a invenção da Al-Qaeda, que unia dois tipos de gases em uma mistura tóxica similar à utilizada pelos nazistas, representava no mundo do armamento terrorista "o equivalente à divisão do átomo".No entanto, quando o homem da Al-Qaeda na Arábia Saudita visitou Zawahiri para informá-lo sobre seus planos, o braço direito de Osama bin Laden ordenou que eles fossem abortados, por razões aparentemente desconhecidas.O livro assegura que o presidente dos Estados Unidos, George W. Bush, teve em suas mãos o protótipo do sistema elaborado pela CIA em março de 2003 e alertou o governo da ameaça.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.