Al-Qaeda prepara ataques contra os EUA no Afeganistão, diz jornalista

A organização terrorista Al-Qaeda está preparando novos ataques contra as tropas norte-americanas no Afeganistão, afirmou hoje o jornalista árabe Abdel-Bari Atwan, citado pela rede de televisão Sky-News. Atwan é diretor do jornal em língua árabe al-Quds al-Arabi, publicado em Londres, e a ele são atribuídos vínculos estreitos com alguns membros da Al-Qaeda. Em 1996, Atwan entrevistou o exilado saudita Osama bin Laden. Segundo o jornalista, o grupo conseguiu se reorganizar depois dos golpes que recebeu durante a intervenção militar no Afeganistão encabeçada pelos Estados Unidos. Atwan confirmou que Bin Laden está bem e goza de boa saúde, embora tenha reconhecido não saber onde o líder da Al-Qaeda se encontra. ONU O chefe de operações da ONU no Afeganistão, Lakhdar Brahimi, disse hoje que as investigações sobre as valas comuns descobertas no norte do país não devem continuar "até que tenhamos condições de garantir a segurança das testemunhas". As covas, descobertas por funcionários de uma organização não-governamental (ONG) em Dasht-e-Leili, em uma área próxima à cidade de Shibergan, poderiam conter os restos de centenas de talebans que foram mortos asfixiados dentro de contêineres nos quais estavam trancados. "Creio que temos a responsabilidade de estabelecer o que aconteceu, mas nossa responsabilidade para com os vivos é mais importante", disse Brahimi. Funcionários da ONU que trabalham na investigação afirmaram na semana passada que as testemunhas do massacre foram ameaçada e temem represálias. O governo afegão indicou que abriria uma investigação sobre o caso. "Não me parece haver uma investigação em curso", disse o enviado da ONU. "O governo disse que quer investigar, mas duvido que ele tenha capacidade para fazê-lo". A zona de Shibergan está sob o controle do líder rebelde usbeque Rashid Dostum, aliado do governo de Cabul.

Agencia Estado,

27 Agosto 2002 | 16h54

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.