Ali Mohammed/Efe
Ali Mohammed/Efe

Al-Qaeda reivindica autoria da série de atentados que matou 52 no Iraque

Pelo menos dez pessoas morreram nas últimas 12 horas em diferentes atentados nesta terça-feira

21 Março 2012 | 08h42

CAIRO - A organização Estado Islâmico do Iraque, vinculada à al-Qaeda, reivindicou a autoria da série de atentados ocorridos na terça-feira, 20, em diferentes pontos do país, que causou a morte de 52 pessoas e deixou mais de 200 feridos, em comunicado divulgado nesta quarta-feira, 21, pelo grupo.

Veja também:

link Atentados no Iraque matam pelo menos 52 pessoas

 

Conforme a organização, os ataques são uma resposta ao plano de segurança lançado pelas autoridades iraquianas por causa da realização da cúpula de chefes de Estado árabes de 29 de março em Bagdá.

 

Novos atentados

Pelo menos dez pessoas morreram nas últimas 12 horas em diferentes atentados no Iraque, informaram fontes do Ministério do Interior. Um grupo armado degolou nesta quarta-feira uma mãe e seus três filhos na região de Zafaraniya, ao sudeste de Bagdá, sem dar mais detalhes.

 

Em outro ataque, homens armados disfarçados de soldados invadiram a casa de um membro de um Conselho de Salvação, milícia tribal que colabora com a Polícia na luta contra os terroristas, na zona de Henbes, 40 quilômetros ao nordeste de Baquba, capital da província oriental de Diyala. Os criminosos mataram a esposa do miliciano, que ficou ferido grave.

 

Em Al Azim, 60 quilômetros ao norte de Baquba, quatro soldados iraquianos ficaram feridos em um ataque de insurgentes contra o posto de controle onde se encontravam.

 

Policiais encontraram o cadáver de um funcionário do Ministério de Comércio com várias marcas de bala no bairro de Karrada, no centro de Bagdá.

 

Ontem à noite, homens armados enfrentaram a Polícia em um posto de controle na área de Al-Karmah, ao leste de Fallujah, 50 quilômetros ao oeste da capital, e mataram quatro agentes.

Em outro ataque ontem à noite, o xeque de um clã faleceu pelos disparos de um grupo desconhecido contra o carro no qual viajava pelo oeste de Ramadi, capital da província ocidental de Al-Anbar.

 

Ontem, 42 pessoas perderam a vida em uma cadeia de atentados em diferentes cidades do país, como Bagdá, Karbala (sul), Kirkuk (norte) e Ramadi (oeste), coincidindo com o nono aniversário da invasão do Iraque e a apenas uma semana da realização da cúpula de chefes de Estado árabes na capital iraquiana

 

O Iraque vive uma escalada da violência desde a retirada dos soldados americanos, em 18 de dezembro passado, e a emissão, um dia depois, de uma ordem de detenção contra o vice-presidente sunita, Tareq al Hashemi, por supostos delitos de terrorismo.

 

Mais conteúdo sobre:
Ataque Iraque al-Qaeda

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.