Al-Qaeda restaura liderança e planeja ataques, diz NYT

Enquanto a Al-Qaeda se reconstói em áreas paquistanesas, uma nova geração de líderes começa a aparecer para tomar o controle das operações de Osama bin Laden, segundo funcionários da inteligência amerciana. A informação foi divulgada no domingo, 1, pelo jornal americano The New York Times.Segundo o jornal, Os novos líderes surgiram na organização após a morte ou a captura dos membros que construiram a Al-Qaeda antes dos ataques de 11 dee Setembro às torres gêmeas, surpreedendo os líderes dos Estados Unidos quanto à habilidade do grupo terrorista. Autoridades americanas, européias e paquistanesas tentam há meses traçar juntamente um retrato da nova liderança da Al-Qaeda, para investigar com mais embasamento os ataques terroristas. O interrogatório de suspeitos e provas conquistadas apontaram que foi possível evitar a destuição de aviões que partiam de Londres.Os funcionários da Inteligência também aprenderam sobre a estrutura da Al-Qaeda após interceptar informações da rede de comunicação do grupo em áreas paquistanesas.Entre as poucas fontes que o jornal identifica, está o diretor da FBI, Robert S. Mueller. "Estamos preocupados há muito tempo com a possibilidade de a Al-Qaeda reconstruir uma estrutura organizada", disse Mueller. "Este grupo está comprometido com a execução de ataques de grande impacto", acrescentou.Segundo o jornal, se acredita que a nova geração se compõe de militantes de 30 anos de experiência com combates em lugares como Afeganistão e Chechênia, além de formar um grupo mais diverso que o anterior, contando também com paquistaneses.Frente a estrutura que a organização contava antes do 11 de Setembro, a direção da Al-Qaeda agora está mais difusa, com vários segmentos que funcionam de forma mais autônoma e não dependem de uma comunicação contínua com Bin Laden, segundo estudiosos americanos.A investigação no caso dos aviões britânicos levaram à conclusão que o comandante paramilitar egípcio Abu Ubaidah al-Masri era o operador da Al-Qaeda no Paquistão, orquestrando os ataques, segundo o The New York Times.Masri é veterano de guerra no Afeganistão e nos últimos meses viajou freqüentemente para o Paquistão, para diálogo com outros líderes do grupo terrorista.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.