Al-Qaeda teria cogitado ataque a usinas nucleares nos EUA

A rede terrorista Al-Qaeda havia considerado atacarinstalações nucleares americanas quando planejou seus atentadoscontra Nova York e Washington e0não descarta a realização deataques nucleares no futuro, de acordo com um repórter queteria entrevistado os planejadores dos ataques de 11 de setembro.O correspondente da televisão Al-Jazira, Tosri Fouda,disse à Associated Press que a Al-Qaeda entrou em contato comele para combinar a entrevista com Khalid Sheikh Mohammed eRamzi Binalshibh num local secreto no Paquistão, em junho.Foudaesperou para pôr no ar a entrevista na quarta-feira, 11 desetembro, porque queria incluí-la num documentário para lembraro primeiro aniversário dos ataques.Para muitas pessoas, um vídeo do líder da Al-Qaeda,Osama bin Laden, divulgado por autoridades americanas emdezembro, estabeleceu a responsabilidade da rede pelos atentadosde 11 de setembro. As entrevistas de Fouda com Mohammed eBinalshibh estabeleceram essa ligação com clareza ainda maior.As autoridades americanas consideram Mohammed um dosmais altos líderes da Al-Qaeda ainda em liberdade e acreditamque ele ainda esteja planejando atentados contra interessesamericanos.Representantes dos EUA afirmam que Binalshibh foi membrode uma célula baseada em Hamburgo liderada por Mohammed Atta,que supostamente foi o principal seqüestrador no dia 11 desetembro. "Sou o chefe do comitê militar da Al-Qaeda e Ramzi(Binalshibh) é o coordenador da Operação da Terça-Feira Santa",disse literalmente Mohammed, de acordo com Fouda.Mohammed revelou ainda textualmente, segundo o repórterda Al-Jazira, que o planejamento começou dois anos e meio antesde 11 de setembro, e os primeiros alvos cogitados eraminstalações nucleares. "Nós decidimos contra isso por receio deque a coisa ficasse fora de controle", disse Mohammed. "Vocêsnão precisam saber mais do que isso agora e, seja como for,eventualmente ficou decidido deixar de lado os alvos nucleares.Por enquanto."Fouda disse que, em determinado momento, enquanto eleestava sendo conduzido para o encontro com os olhos vendados,pensou que estava indo encontrar-se com Osama bin Laden, o líderda Al-Qaeda. Nos dois dias em que Fouda passou conversando comos dois líderes, Mohammed referiu-se uma única vez a Bin Laden,usando o verbo no passado, e isso levou o repórter a concluirque o terrorista saudita provavelmente esteja morto.Mohammed e Binalshibh nunca lhe enviaram os vídeosprometidos da entrevista, disse Fouda. Ele possui apenas fitasde áudio. Fouda escreveu um artigo sobre essa entrevista para oSunday Times, de Londres. Ele revelou que, durante asentrevistas, soube que o Congresso americano seria o quarto alvodos ataques.Aviões seqüestrados chocaram-se contra as torresgêmeas do World Trade Center em Nova York e contra o Pentágono eum deles caiu num campo na Pensilvânia, depois que ospassageiros aparentemente atacaram os seqüestradores.O artigodo Sunday Times, diz Fouda, "me ajudou a detalhar um pouco maisa entrevista e suas circunstâncias". Fouda soube também que Atta trabalhava numa célula"dormente" da Al-Qaeda na Alemanha desde 1992. Nos EstadosUnidos, antes dos atentados, Atta se comunicava com dirigentesda Al-Qaeda via e-mail.Mas quando ele decidiu que tudo estavapronto, telefonou a Binalshibh na Alemanha para lhe dizer a data usando um quebra-cabeças que se referia às formas dos números11 e 9.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.