Alabama e Mississippi declaram estado de emergência

Os Estados do Alabama e Mississippi declararam estado de emergência neste domingo, antes da chegada da tempestade tropical Isaac. Mais cedo, o governador da Luisiana, Bobby Jindal, havia feito o mesmo e pedido que moradores de áreas baixas abandonassem suas residências. A Flórida havia declarado estado de emergência já no sábado.

EQUIPE AE, Agência Estado

26 de agosto de 2012 | 21h25

O Centro Nacional de Furacões (NHC, na sigla em inglês) dos Estados Unidos emitiu hoje um alerta de furacão para a região que vai do oeste de Nova Orleans até Destin, na Flórida, na costa norte do Golfo do México. As cidades que podem ser afetadas incluem Nova Orleans (Luisiana), Biloxi (Mississippi), Mobile (Alabama) e Pensacola (Flórida).

Um alerta de furacão significa que condições típicas de um furacão devem ocorrer em algum lugar nessa área, informou o NHC, acrescentando que essas condições são esperadas dentro de 24 horas, neste caso.

A tempestade tropical Isaac está atualmente passando sobre o sul de Key West, segundo o NHC, e está se deslocando para oeste-noroeste a cerca de 26 quilômetros por hora. A Isaac, que tem ventos de quase 100 quilômetros por hora, deve ganhar força.

Segundo o NHC, a trajetória atual indica que a tempestade deve atingir a costa norte-americana do Golfo do México na terça-feira.

Convenção

A tempestade também transferiu para terça-feira a convenção do Partido Republicano na cidade de Tampa, nos Estados Unidos. O encontro, definido nominalmente para começar na segunda-feira, foi adiado em um dia, quando há previsões melhores para o tempo.

Dezenas de milhares de republicanos estarão em Tampa para a nomeação do ex-governador de Massachusetts Mitt Romney como candidato oficial do Partido Republicano que disputará a presidência dos Estados Unidos na eleição de 6 de novembro.

Autoridades disseram não temer impactos diretos na cidade, mas afirmaram que a preocupação com os ventos fortes, as chuvas torrenciais e as inundações costeiras podem prejudicar a viagem dos delegados ao evento.

O presidente do Comitê Nacional Republicano, Reice Priebus, disse à CNN que a decisão de adiar o início da convenção foi motivada pela preocupação de que os ônibus tenham dificuldades de trafegar pelas pontes da cidade e pela dificuldade de erguer tendas para abrigar linhas de seguranças na entrada do evento. Ele ressaltou, no entanto, que o show vai continuar. "Estaremos a todo vapor na terça-feira", disse.

A Casa Branca disse que Obama havia sido informado sobre os preparativos de tempestade e ofereceu apoio federal a Scott para "que fosse garantida a segurança de quem visita o Estado para a Convenção Nacional Republicana."

Petroleiras

No Golfo do México, petroleiras como a Shell, BHP Billiton, a Chevron e a Anadarko Petroleum retiraram seus trabalhadores das plataformas. Com a retirada, as empresas interromperam cerca de 24,2% da produção do Golfo, ou 333.815 barris de óleo por dia. Até este domingo, 39 das 596 plataformas e oito das 76 sondas no Golfo haviam sido retiradas. As informações são da Dow Jones e da Associated Press.

Tudo o que sabemos sobre:
EUAIsaacfuracãoemergência

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.