Alabama processa petroleiras por vazamento no Golfo

Estado é o primeiro dos EUA a pedir indenização por danos causados pelo incidente.

Alessandra Corrêa, BBC

13 de agosto de 2010 | 20h27

O Estado americano do Alabama entrou com um processo na Justiça contra a petroleira britânica BP, a Transocean e outras empresas por danos relacionados ao vazamento de petróleo no Golfo do México.

O processo foi movido pelo secretário de Justiça do Estado, Troy King, contra a vontade do governador Bob Riley que preferia chegar a um acordo com as empresas.

Segundo King, as empresas causaram enormes prejuízos à costa e à economia do Alabama ao não aderir a padrões reconhecidos da indústria (petrolífera).

O vazamento foi iniciado no dia 20 de abril, quando a plataforma Deepwater Horizon, de propriedade da Transocean e operada pela BP, explodiu e afundou, em um acidente que matou 11 funcionários.

Durante os quase 90 dias seguintes, calcula-se que 4,9 milhões de barris tenham sido despejados no Golfo do México, no que é considerado o maior vazamento acidental de petróleo da história. Nesse período, apenas 800 mil barris foram coletados.

O maior vazamento de petróleo foi registrado durante a invasão iraquiana do Kuwait quando soldados do Iraque lançaram deliberadamente mais de 6 milhões de barris ao mar.

Poço auxiliar

No dia 15 de julho, a BP conseguiu interromper o fluxo e, posteriormente, vedar o poço de Macondo, origem do vazamento.

Nesta sexta-feira, o governo americano disse que a BP vai continuar a perfurar um poço auxiliar para resolver o problema definitivamente.

A perfuração foi interrompida nesta semana devido ao mau tempo. Enquanto isso, cientistas ainda analisam os resultados da operação para vedar o poço de Macondo.

O responsável pela operação de resposta ao vazamento do governo americano, almirante Thad Allen, disse que a perfuração do poço auxiliar só vai continuar quando for possível garantir sua segurança.

Neste fim de semana, o presidente Barack Obama viaja com a família para Panama City, na Flórida, uma das cidades afetadas pelo vazamento e que vem registrando fluxo de turistas menor do que em anos anteriores.BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.