Alan García compara Ollanta Humala com "barras bravas"

O ex-presidente peruano e candidato presidencial Alan García declarou nesta sexta-feira que o apoio a seu rival Ollanta Humala pode ser um "salto no escuro" ou uma expressão da emoção popular, como são os "barras bravas" (torcedores organizados violentos) no âmbito esportivo. "Mas também os barras bravas são emocionais e não se constrói nada com isso", declarou o ex-governante (1985-1990) em entrevista à Rádio Programas del Perú. García, do Partido Aprista Peruano, tem 19% das intenções de voto, enquanto que Humala tem 26% e Lourdes Flores, 27%, segundo a última enquete da empresa Datum para as eleições do dia 9 de abril. No entanto, Humala, do partido União pelo Peru, e García mantêm uma tendência crescente, ao contrário de Flores, da aliança União Nacional, que começou a cair nas últimas semanas. Nesse sentido, García rejeitou que vá cair no "leilão irresponsável, populista, demagógica e desesperado de último momento" de oferecer milhares de postos de trabalho ou milhões de dólares para a agricultura sem explicar como. Flores ofereceu criar 650.000 postos de trabalho anualmente durante seu governo, mas diversos analistas comentaram que uma oferta desse tipo significaria ter um crescimento econômico maior de 10% ao ano, o dobro do número atual. Humala, por sua vez, prometeu injetar 5 bilhões de novos sóis (US$ 1,5 bilhão) no desenvolvimento da agricultura. "Eu fui chefe de Estado, não sou um candidato desesperado", disse García, fazendo eco a recentes palavras de Humala contra Flores.

Agencia Estado,

17 Março 2006 | 15h37

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.