Alan García tenta tranqüilizar investidores estrangeiros

O ex-presidente peruano Alan García garantiu nesta terça-feira que não permitirá o retorno da inflação ao Peru e descartou que um eventual governo seu desconheça acordos e contratos já estabelecidos com investidores estrangeiros. García, cujo governo entre 1985 e 1990 deixou o país numa profunda crise econômica e isolado da comunidade financeira internacional, tentou tranqüilizar o setor financeiro, nervoso por sua passagem para o segundo turno, quando disputará a presidência com o economista Alejandro Toledo. "Ratifico que estou comprometido com o país para reativar a produção e o emprego, dentro da estabilidade monetária e do equilíbrio fiscal, que é o que mais preocupa o país. Sobre a inflação, serei o primeiro a tentar impedir que isso aconteça", disse ele aos jornalistas. O candidato de 51 anos, descartou qualquer ruptura da estabilidade do equilíbrio econômico ou dos contratos de investimento. Ele também garantiu que dará continuidade a algumas privatizações e fomentará o investimento estrangeiro. "Não acredito, salvo a surpresa inicial, que haja motivos pelos quais temer. Eu garanto a vocês a devida estabilidade", enfatizou o candidato. O temor pela surpreendente virada do ex-presidente, que superou Lourdes Flores, a candidata que ficara em segundo lugar nas pesquisas nas semanas que antecederam as eleições de domingo, provocou ontem a queda da Bolsa de Valores de Lima e a alta do câmbio.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.