Enrique Garcia Medina/EFE
Enrique Garcia Medina/EFE

Alberto Fernández amplia vantagem sobre Macri, dizem pesquisas na Argentina

Projeções mostram candidato kirchnerista com mais de 16 pontos de vantagem sobre o presidente

Redação, O Estado de S.Paulo

09 de setembro de 2019 | 18h09

BUENOS AIRES - O candidato de oposição, o peronista Alberto Fernández, derrotaria o presidente argentino, Mauricio Macri, nas eleições de outubro por uma vantagem ainda maior do que a diferença esmagadora que ele obteve nas primárias de agosto, segundo três pesquisas divulgadas nesta segunda-feira, com números semelhantes.

Os dados publicados ontem quebraram semanas de silêncio dos institutos de pesquisa, após as primárias, nas quais poucas sondagens acertaram a vitória arrasadora da chapa de centro-esquerda peronista sobre o governo - resultado que acelerou a crise de desconfiança de investidores.

Fernández, cuja colega de chapa é a ex-presidente Cristina Kirchner, deve obter 51,5% dos votos e Macri, 34,9%, segundo pesquisa da empresa Ricardo Rouvier & Asociados. “O que vejo é uma consolidação do resultado das primárias”, disse o analista Julio Burdman, cuja consultoria Observatorio Electoral ainda está concluindo suas pesquisas de opinião.

Para Entender

Guia para entender as prévias da eleição na Argentina

As primárias do país, realizadas no domingo, servem como termômetro para as eleições nacionais, no dia 27 de outubro

Segundo a pesquisa da consultoria Trespuntozero, o opositor deve obter 51,9% dos votos - diante dos 34% de Macri - e conquistar a presidência sem a necessidade de um segundo turno. Para a empresa Clivajes, Fernández receberá 52,6% dos votos, e Macri teria 32,5%.

Nas primárias, que não definiram resultados, mas funcionaram como um indicador do entusiasmo dos eleitores, Fernández conquistou 47,78% dos votos e Macri, 31,79%. Se os votos em branco não tivessem sido contabilizados, como ocorrerá nas eleições gerais, os votos de Fernández teriam superado os 49%.

Na Argentina, para vencer uma eleição no primeiro turno, o candidato mais votado tem de superar os 45% dos votos ou obter mais de 40% e uma diferença de 10 pontos porcentuais sobre o segundo colocado.

Em um cenário econômico que já mostrava problemas sérios para Macri, o resultado das primárias desencadeou uma crise financeira severa em razão dos temores de que Fernández reinstaure controles rígidos sobre a economia.

Macri sofre para reconquistar eleitor descontente

A menos de dois meses da eleição, Macri tem a difícil missão de reverter o descontentamento com a crise econômica e a unidade do peronismo para derrotar o kirchnerista Alberto Fernández. 

Principal colégio eleitoral da Argentina, com 11.867,979 eleitores que representam 37% do total de cidadãos habilitados para votar, a Província de Buenos Aires é um território de disputa decisivo na eleição nacional. O revés de Macri respingou em sua principal aliada: Maria Eugenia Vidal, governadora da província, que em 2015, obteve uma vitória histórica frente ao candidato kirchnerista Aníbal Fernández. 

Passados quatro anos, a votação que define as chapas que disputarão oficialmente as eleições e serve como um termômetro das preferências do eleitor demonstrou que a baixa popularidade de Macri – cerca de 33% – pode respingar na imagem positiva da atual governadora. Após a derrota, Macri buscou conselhos eleitorais com o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso. / REUTERS

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.