EFE/ Paolo Aguilar
EFE/ Paolo Aguilar

Alberto Fernández entra em isolamento após contato com secretário diagnosticado com covid-19

Presidente argentino fez o exame para a doença e resultado veio negativo, mas quarentena será feita de forma preventiva. Outros ministros também se auto isolaram

Redação, O Estado de S.Paulo

12 de novembro de 2020 | 08h25

BUENOS AIRES - O presidente da Argentina, Alberto Fernández, teve o resultado do exame para a covid-19 negativo, mas ainda assim iniciou um isolamento preventivo após ter dito contato com o secretário de Assuntos Estratégicos da presidência, Gustavo Béliz, que foi diagnosticado com o novo coronavírus. O anúncio da quarentena do mandatário foi feito nesta quarta-feira pelo governo.

"Fiz um teste que resultou negativo. Apesar disso, como temos recomendado, o isolamento preventivo é importante para interromper as infecções", escreveu o presidente no Twitter. "Estou bem, sem sintomas de qualquer espécie. Agradeço a todos pela preocupação".

Além de Fernández, também ficarão em isolamento os ministros do Interior, das Relações Exteriores e da Mulher, Gênero e Diversidade. Os três aguardam os resultados de seus exames.

Fernández abraçou na última segunda-feira o ex-presidente boliviano Evo Morales, que acompanhou até a fronteira antes do retorno deste último a seu país após 11 meses refugiado em Buenos Aires. Nesse dia, jornalistas registraram também um abraço entre Fernández e Béliz.

Todos participaram na noite de domingo, em Jujuy, de um jantar de despedida de Morales sem respeitarem o distanciamento e o uso de máscara, segundo uma foto publicada pelo boliviano no Twitter.

Com 44 milhões de habitantes, a Argentina já teve mais de 1,2 milhões de casos do novo coronavírus, segundo o Ministério da Saúde. A taxa de infecção diária do país começou a diminuir nas últimas semanas, indicando que a crise pode ter passado do seu pico./AFP e REUTERS

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.