Luis Cortes / Reuters
Luis Cortes / Reuters

Alberto Fernández inaugurará encontro de líderes latino-americanos em Buenos Aires

Segunda edição do evento que reunirá políticos como o ex-presidente uruguaio José Mujica e o vice-presidente da Bolívia, Álvaro García Linera, será realizada entre os dias 8 e 10 de novembro

Redação, O Estado de S.Paulo

04 de novembro de 2019 | 09h48

BUENOS AIRES - O Grupo de Puebla, formado por dezenas de líderes latino-americanos, realizará entre os dias 8 e 10 de novembro em Buenos Aires seu segundo encontro, que será inaugurado pelo presidente eleito da Argentina, o peronista Alberto Fernández, informaram fontes oficiais.

Sob o lema “A mudança é o progresso”, o grupo formado por 32 líderes políticos de 12 países realizará uma reunião em um momento conturbado para a região latino-americana, que nas últimas semanas tem registrado diversos protestos contra os governos do Chile, Equador e Bolívia.

Para Entender

Quem é Alberto Fernández, o aliado de Kirchner que chegou à presidência argentina

Com perfil moderado, peronista de 60 anos é novo presidente da Argentina após derrotar Mauricio Macri já no primeiro turno

Para esta segunda edição já foi confirmada a presença do ex-presidente do Uruguai José Mujica (2010-2015) e do vice-presidente da Bolívia, Álvaro García Linera, segundo informações da página oficial do grupo.

1.ª edição teve Fernando Haddad e Ernesto Samper

O Grupo de Puebla - que recebeu este nome em razão da primeira edição do evento, realizada em Puebla, no México, entre os dias 12 e 14 de julho - reuniu mais de 30 líderes de 10 países da América Latina, entre eles o ex-candidato à presidência do Brasil Fernando Haddad, o ex-presidente colombiano Ernesto Samper (1994-1998) e o ex-governador da Província de Buenos Aires Felipe Solá.

Na ocasião, os líderes que compareceram ao evento prometeram impulsionar iniciativas conjuntas para erradicar a fome, garantir uma “educação e saúde pública de qualidade”, impulsionar um modelo de crescimento econômico com inclusão e democratizar o acesso à inovação e à tecnologia, entre outros objetivos.

Eles também criticaram a “nova onda de governos liberais” da América Latina que, segundo o Grupo de Puebla, “insistem em promover os interesses e privilégios de uma elite socioeconômica”.

Fernández, que será o encarregado de inaugurar o encontro de 8 novembro em Buenos Aires, assumirá a presidência da Argentina no dia 10 de dezembro. Ele marcou como “primeiro compromisso” de sua agenda no exterior “voltar a unir a América Latina e potencializar o Mercosul”. / EFE

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.