Alegação de cumplicidade com Al-Qaeda é 'absurda', diz premiê paquistanês

Falando ao Parlamento, Yusuf Gilani negou veementemente qualquer conluio entre o governo paquistanês e a Al-Qaeda.

BBC Brasil, BBC

09 de maio de 2011 | 11h09

O primeiro-ministro do Paquistão, Yousef Raza Gilani, afirmou nesta segunda-feira que são "absurdas" as alegações de cumplicidade com a rede Al-Qaeda e de incompetência do governo para localizar o líder da organização, Osama Bin Laden.

Bin Laden foi morto no último dia 1º, na cidade paquistanesa de Abbottabad, durante operação realizada por uma unidade de elite da Marinha americana. O líder da Al-Qaeda se encontrava em uma mansão localizada a poucos metros da sede da Academia Militar paquistanesa.

Falando perante o Parlamento paquistanês, Gilani disse que a missão do governo é eliminar o terrorismo. "Nós não convidamos a Al-Qaeda para dentro do Paquistão", afirmou o premiê.

O primeiro-ministro afirmou ainda que ações unilaterais como a realizada pelos Estados Unidos na semana passada trazem o risco de graves consequências. Segundo Gilani, o Paquistão reserva para si o direito de proteger a sua soberania.

De acordo com o premiê, o serviço de inteligência paquistanês (ISI), acusado de colaborar com a Al-Qaeda, é um "bem nacional" e tem a total confiança do governo do Paquistão.

Impopularidade

O Paquistão está sendo cada vez mais pressionado pelos Estados Unidos para que explique como foi possível que o líder da Al-Qaeda vivesse por tanto tempo - cinco anos - a poucos metros da sede da Academia Militar do país.

No domingo, o presidente americano, Barack Obama, pediu que o governo paquistanês investigasse a rede de apoio que ajudava Osama Bin Laden e se alguma autoridade do país sabia do paradeiro do líder da rede extremista.

"Não sabemos se havia algumas pessoas dentro do governo (paquistanês), pessoas de fora do governo, e isto é algo que temos que investigar e, mais apropriadamente, o governo paquistanês precisa investigar", disse Obama.

A correspondente da BBC no Paquistão Jill McGivering afirma que o governo de Islamabad já prometeu uma investigação a respeito disto, mas que os Estados Unidos nutrem suspeitas sobre o rigor deste inquérito.

Segundo o repórter da BBC em Abbottabad Aleem Maqbool, muitos paquistaneses acham que, dado o tempo em que o líder da Al-Qaeda viveu perto do centro de formação militar e dado as declarações que as autoridades vinham dando nos últimos anos sobre o paradeiro de Bin Laden - de que ele não estaria no Paquistão ou de que estaria morto -, há um sentimento generalizado de que o governo paquistanês ou é muito incompetente ou tem enganado a população.

Mais cedo, uma multidão realizou protestos nas áreas tribais do Paquistão contra a morte do líder da Al-Qaeda.

Cerca de 500 manifestantes realizaram uma passeata na cidade de Wana, na província do Waziristão do Norte (noroeste do país), carregando cartazes que atacavam os Estados Unidos e o governo paquistanês.BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.