Alemanha arquiva processo de ex-nazista

A Justiça alemã anunciou ontem que desistiu de processar um dos últimos ex-colaboradores do nazismo que ainda poderia responder por crimes cometidos durante a 2.ª Guerra. Com isso, restam poucos julgamentos em andamento sobre ex-oficiais e ex-colaboradores do regime de Adolf Hitler

BERLIM, O Estado de S.Paulo

29 de maio de 2015 | 02h01

O ex-oficial da SS, de 93 anos, tem um estado de demência avançado e pelas leis alemãs não poderia ser submetido a um julgamento.

De acordo com a procuradoria da cidade de Hamburgo, o processo foi abandonado. Ele era acusado de comandar a 16.ª divisão de blindados Panzer da SS no cerco à cidade de Sant'Anna di Stazzema, na região da Toscana, na Itália, em 1944, quando a guerra caminhava para o final. Centenas de civis morreram na ofensiva, entre eles mulheres e crianças.

"A análise do extenso material arquivado levou à conclusão de que o acusado - caso estivesse são para se apresentar perante o júri - seria provavelmente indiciado pela morte cruel e sem motivo de 342 pessoas", disse a promotoria em comunicado divulgado ontem.

Exames psiquiátricos e neurológicos comprovaram que o ex-oficial nazista sofre de um grau muito avançado de demência. Num caso desse, a Constituição alemã proíbe que o acusado seja réu em julgamentos.

Ao longo dos últimos anos, tem caído consideravelmente o número de criminosos nazistas submetidos a julgamento, uma vez que os sobreviventes que ainda não foram julgados estão cada vez mais idosos ou incapazes.

Em abril, um tribunal alemão começou a julgar um livreiro de 93 anos que trabalhava no campo de concentração de Auschwitz, em território polonês, acusado de colaborar com o assassinato em massa de judeus durante a 2.ª Guerra.

O caso poderia ser um dos últimos grandes julgamentos de criminosos de guerra nazistas realizados na Alemanha.

Este mês, a rendição do Exército nazista aos aliados em Berlim completou 70 anos. / REUTERS

Tudo o que sabemos sobre:
AlemanhanazismoO Estado de S. Paulo

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.