REUTERS/Antonio Bronic
REUTERS/Antonio Bronic

Alemanha abre 1.º abrigo para refugiados homossexuais

Após meses de negociação, locais foram definidos para abrigar solicitantes de asilo que sofrem ameaças em alojamentos

O Estado de S. Paulo

23 de fevereiro de 2016 | 09h30

BERLIM - A cidade de Berlim abre nesta terça-feira, 23, seu primeiro albergue para refugiados homossexuais e transexuais, um projeto que receberá pessoas que fugiram de seu país e ao chegar à Alemanha se sentem ameaçadas em alojamentos massificados.

A iniciativa partiu da Assessoria para os Homossexuais de Berlim, uma organização que há décadas trabalha na capital alemã e onde nos últimos meses se começaram a acumular pedidos de ajuda de solicitantes de asilo. Alguns casos são graves, envolvendo de discriminação à violência, segundo afirmou o diretor da organização, Marcel de Groot.

Os homossexuais e transexuais normalmente chegam à Alemanha sozinhos, sem família e sem laços com as pessoas de sua região de origem, ou seja, estão "isolados social e culturalmente".

Apenas Berlim recebeu no ano passado 79 mil solicitantes de asilo, motivo pelo qual a cidade precisou recorrer a todo tipo de instalações para alojá-los, desde pavilhões esportivos aos hangares do antigo aeroporto de Tempelhof.

A falta total de privacidade afeta todos os refugiados, mas para o grupo LGBT a situação pode ficar dramática. "Recebemos muitos relatos de gays, lésbicas e transexuais sobre experiências de violência nos albergues comunitários, onde são ameaçados e em algumas ocasiões agredidos. Eles têm muito medo e estão em risco", afirmou Stephan Jäkel, diretor do departamento encarregado dos refugiados LGBT.

Seu relato é confirmado por Mahmoud Hassino, trabalhador sírio que chegou há dois anos a Berlim e viveu o longo processo que é preciso percorrer até conseguir os papéis que ratificam a condição de asilado. O principal problema, afirmou, é o medo: "Há pessoas que sofrem assédio verbal, outras físico, algumas são atacadas, sei inclusive de um caso de estupro", contou Hassino, que lembrou que ele também abandonou seu albergue quando seus companheiros souberam que era um ativista homossexual.

De setembro até agora, detalhou o sírio, seu trabalho se centrou em buscar "locais de emergência" para pessoas cuja situação de risco era considerada alta e precisavam abandonar os albergues. "Muitos refugiados chegam fugindo de sua própria gente e quando são alojados em um albergue com cidadãos de sua mesma nacionalidade se sentem ameaçados", comentou.

Após meses de negociações com a administração pública berlinense e após buscar diferentes alojamentos privados para os casos mais graves, hoje chegarão ao albergue as primeiras 17 pessoas.

O aluguel será pago pelo Senado de Berlim e a gestão do centro será assumida pela Assessoria, que não duvida que nas próximas semanas estejam ocupadas as 122 vagas que o albergue tem distribuídas em 29 imóveis.

Pelos expedientes analisados até o momento, tanto denúncias particulares como relatórios elaborados por assistentes sociais de diferentes albergues, sua estimativa é que dois terços das vagas sejam ocupadas por gays, um terço por transexuais e serão poucos os casos de lésbicas.

No último final de semana foi realizada uma jornada de portas abertas para que os vizinhos e as organizações do bairro de Treptow conhecessem o projeto. A recepção, segundo Jäkel, foi boa e não se deve temer que o albergue possa ser alvo de um ataque xenófobo, mas precauções foram tomadas e endereço do local não está sendo divulgado na imprensa. /EFE

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.