Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90
REUTERS / Wolfgang Rattay / Foto do arquivo GLOBAL BUSINESS WEEK AHEAD
REUTERS / Wolfgang Rattay / Foto do arquivo GLOBAL BUSINESS WEEK AHEAD

Alemanha avança para suspensão do uso obrigatório de máscara

O uso de máscara é obrigatório no país em locais públicos fechados, em estabelecimentos comerciais, no transporte público e algumas ruas muito movimentadas

Redação, O Estado de S.Paulo

14 de junho de 2021 | 08h00

BERLIM - A Alemanha avança para uma suspensão gradual da obrigação do uso de máscara, após uma redução expressiva das infecções por covid-19 no país, afirmou o ministro da Saúde, Jens Spahn.

"Graças à queda da taxa de incidência, podemos atuar por etapas: um primeiro passo pode ser a suspensão do uso da máscara em áreas abertas", afirmou Spahn em uma entrevista ao grupo de imprensa Funke. 

"Nas regiões com taxa de incidência pequena e elevada taxa de vacinação, isto poderia alcançar progressivamente os espaços internos", completou.

Na Alemanha, o uso de máscara é obrigatório nos locais públicos fechados, no transporte público, estabelecimentos comerciais e algumas ruas muito movimentadas.

Mas o país, como a maioria dos vizinhos europeus, registra há várias semanas uma forte redução das infecções de covid-19, o que permite uma flexibilização das restrições.

A campanha de vacinação acelerou no país: 48,1% dos alemães receberam ao menos uma dose e 25,7% da população está completamente imunizada. 

Desde meados de maio as autoridades flexibilizaram várias medidas anticovid. Restaurantes, bares e lojas não essenciais, fechados durante vários meses, retomaram as atividades. 

A ministra da Justiça, Christine Lambrecht, pediu às regiões do país que "examinem" em que medida o uso da máscara continua sendo "apropriado" em seus territórios.

Atualmente, a Alemanha registra 3.723.295 casos confirmados da doença e 89.849 mortes em decorrência do novo coronavírus, segundo a plataforma de monitoramento da Universidade Johns Hopkins. / AFP

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.