Alemanha caça suspeitos de tramar atentados

Autoridades alemãs lançaram neste sábado umainvestigação para tentar desbaratar um grupo de supostos militantes muçulmanos que planejam desencadear atentados no país, informou a procuradoria federal.Segundo um investigador, o grupo é formado por pelo menos cinco pessoas - a maioria delas da cidade de Cottbus, no leste da Alemanha - "com o objetivo de cometer ataques para defendere propagar os valores islâmicos".Foram vasculhadas neste sábado 11 propriedades em três cidades: Cottbus, Gross-Gerau (perto de Frankfurt) e Leinfelden-Echterdingen (perto de Stuttgart).Não foram divulgados oficialmente detalhes sobre a identidade ou origem dos suspeitos, nem sobre o tipo de ataque planejado. Mas a revista alemã Focus citou neste sábado como possíveis alvos a base aérea norte-americana em Spangdahlem, perto da fronteira com Luxemburgo, e uma série de instalações judaicas em Berlim eFrankfurt.A revista não revelou as fontes de suas informações, mas assinalou que um comando extremista pode estar vinculado a funcionários de firmas particulares de segurança.A Alemanha intensificou seus esforços antiterror depois da revelação de que três dos seqüestradores de aviões usados nos atentados de 11 de setembro de 2001 nos EUA haviam vivido comoestudantes em Hamburgo antes de embarcar em sua ação terrorista.O julgamento de Mounir el-Motassadeq, acusado de dar ajuda logística aos três para os atentados, começará no dia 22. Na Itália, três cidadãos egípcios, com vistos regulares detrabalho na Itália, foram presos nesta sexta-feira perto de Anzio, ao sul de Roma, acusados de preparar um atentado contra o cemitério militar norte-americano de Nettuno, informaram neste sábado as autoridades.Os investigadores suspeitam que os três, com idades entre 30 e 45 anos, também estivessem planejando ataques contra outros alvos, entre eles o aeroporto de Fiumicino, em Roma. No apartamento de um dos detidos a polícia encontrouexplosivos, uma pistola Beretta e vários mapas.Num dos mapas havia uma cruz marcada sobre o cemitério de Nettuno, onde estão enterrados 7.372 soldados americanos que morreram na Itália durante a 2ª Guerra Mundial. As autoridades acreditam que os três estejam vinculados a redes terroristas muçulmanas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.