Alemanha cancela acordo de vigilância com EUA e R.Unido

A Alemanha cancelou nesta sexta-feira um acordo sobre vigilância feito com os Estados Unidos e com o Reino Unido durante a época da Guerra Fria. Esta foi a primeira medida tomada por Berlin em resposta a revelações do ex-agente norte-americano Edward Snowden sobre supostas operações de espionagem eletrônica.

AE, Agência Estado

02 de agosto de 2013 | 10h45

A chanceler Angela Merkel abordou o tema das supostas operações de espionagem, conduzidas pela Agência de Segurança Nacional do EUA (NSA, na sigla em inglês), em um encontro com o presidente Barack Obama em junho. Contudo, a apenas semanas das eleições nacionais alemãs, os partidos de oposição haviam exigido mais transparência sobre até que ponto o governo de Merkel sabia sobre as operações de espionagem contra o país e contra seus cidadãos.

Autoridades do governo insistiram que nem norte-americanos, nem britânicos haviam recebido permissão para violar as leis de privacidade alemãs. Contudo, eles reconheceram que um acordo feito na década de 1960 dava aos EUA, Reino Unido e França o direito de pedir às autoridades da Alemanha para conduzir operações de vigilância dentro da Alemanha. Segundo o acordo, as ações de espionagem teriam de ter como objetivo proteger os soldados posicionados em território alemão.

O ministro de Relações Exteriores da Alemanha, Guido Westerwelle, disse que o cancelamento do acordo "é uma consequência necessária e adequada do recente debate sobre como proteger a privacidade pessoal".

Uma fonte do governo disse que o movimento foi, principalmente, simbólico e não teve consequências práticas para a cooperação de inteligência entre a Alemanha e os seus aliados da Otan. Tanto os EUA quanto o Reino Unido ainda possuem soldados na Alemanha.

A fonte afirmou também que a Alemanha estava em negociações com a França para cancelar a sua parte do acordo. Fonte: Associated Press.

Tudo o que sabemos sobre:
alemanhaespionagem

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.