Alemanha confirma aumento do número de neonazistas em 2005

O número de neonazistas e de ultradireitistas dispostos a utilizar a violência aumentou na Alemanha em 2005, confirma uma porta-voz do Ministério alemão de Interior. O ministro do Interior, o democrata-cristão Wolfgang Schauble, apresentará oficialmente os números nesta segunda-feira, na entrevista coletiva que dará por ocasião da divulgação do relatório anual dos serviços secretos alemães de interior (BfV).Segundo antecipa hoje o jornal dominical Bild am Sonntag, o número de neonazistas registrados pelos serviços secretos alemães aumentou no ano passado, passando de 3.800, em 2004, para 4.100, em 2005. Também houve um aumento dos ultradireitistas dispostos a utilizar a violência, que passaram de 10 mil em 2004 para 10.400 em 2005, segundo dados do BfV.No total, o número de ultradireitistas, no entanto, reduziu-se ligeiramente no ano passado, passando de 40.700 em 2004 para 39.000 em 2005.Os serviços secretos alemães atribuem a queda à diminuição do número de filiados a dois dos principais partidos ultradireitistas, a União do Povo Alemão (DVU) e Os Republicanos. No entanto, houve em 2005 um "boom" da música de ideologia de extrema direita na Alemanha. O número de shows de "skinheads" - cabeças raspadas - aumentou 40%, para 193.Segundo dados dos serviços secretos de interior, há 142 grupos de música "skinhead" na Alemanha.A publicação destes dados ocorre apenas três semanas antes do início da Copa do Mundo, que acontecerá de 9 de junho a 9 de julho na Alemanha, e em meio ao debate sobre se é perigoso para os estrangeiros visitar certas áreas do leste do país, por conta de ataques racistas.Os recentes casos de ataques racistas a estrangeiros - contra um engenheiro etíope-alemão em Potsdam há um mês e contra o político berlinense de origem turca do Partido da Esquerda, Giyasettin Sayan, na sexta-feira passada - reavivaram a polêmica. A imprensa alemã se pergunta se é adequado o lema do Mundial - "O mundo entre amigos" - e se não se deve temer que durante o campeonato aconteçam ataques xenófobos por parte de neonazistas e grupos radicais de extrema direita.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.