Alemanha convoca reunião de líderes da UE sobre Ucrânia

Em comunicado divulgado neste sábado, o Ministério das Relações Exteriores da Alemanha convocou uma reunião imediata de líderes da União Europeia para que o bloco chegue a uma decisão comum sobre a situação na Ucrânia. O ministro da pasta, Frank-Walter Steinmeier, pediu ainda para que a Rússia deixe claro quais são os seus objetivos na região da Crimeia e classificou a atual situação como "perigosa".

Agência Estado

01 de março de 2014 | 11h26

"A situação, em particular na Crimeia, tem aumentado acentuadamente. Qualquer um que jogue mais óleo no fogo com palavras ou ações está deliberadamente buscando uma intensificação (da situação)", afirmou o ministro. Ele pediu para que a Rússia seja transparente sobre qual a sua intenção no envio de tropas à região.

Em um evento em Berlim, a chanceler alemã Angela Merkel também expressou sua preocupação com os recentes eventos na Crimeia e destacou a importância da manutenção da integridade territorial Ucrânia. No mesmo evento, o presidente da Comissão Europeia, José Manuel Barroso, se disse "impressionado com os relatórios da violação da soberania da Ucrânia", que descreveu como "impensável no século XXI no continente europeu".

Já o Ministério de Relações Exteriores britânico anunciou que o seu secretário, William Hague, viajará neste domingo (26) até Kiev para conversar com o governo interino sobre o aumento das tensões na região da península.

Mais cedo, o governo ucraniano afirmou que 6 mil soldados russos estariam na península e acusou o país vizinho de enviar tropas para apoiar os rebeldes na tomada de dois aeroportos e do parlamento da Crimeia. O ministro de Defesa da Ucrânia, Igor Tenyukh, afirmou que a Rússia

começou a enviar reforço militar para a região nessa sexta-feira (28), "sem aviso ou permissão da Ucrânia, em desafio ao princípio de não violação das fronteiras do Estado".

Por sua vez, o governo russo negou que forças de segurança do país estejam envolvidas nos assuntos internos da Ucrânia.

Tudo o que sabemos sobre:
AlemanhaUcrâniaCrimeia

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.