Alemanha critica insistência dos EUA sobre o Iraque

O chanceler alemão, Gerhard Schröder, criticou hoje os EUA por insistirem em uma ação militar para derrubar o presidente do Iraque, Saddam Hussein, descrevendo a atitude como um "erro" que prejudica os esforços da ONU para retomar as inspeções de armamentos no Iraque. Ao ser indagado durante entrevista a uma TV local a respeito de um alerta do vice-presidente dos EUA, Dick Cheney, contra qualquer atraso na iniciativa para derrubar Saddam, Schröder reiterou que a Alemanha não vai participar de ação desse tipo. "Alguém que deve se derrubado do poder com a ajuda de intervenção militar dificilmente será persuadido a permitir que entrem inspetores em seu país", disse Schröder à emissora RTL. "A mudança de objetivo foi o erro cometido." Na segunda-feira, Cheney disse ser "profundamente errado" argumentar contra um ataque para fazer com que Saddam pare de produzir armas químicas, biológicas ou nucleares. Mas o ministro da Defesa da Alemanha, Peter Struck, insistiu hoje que não há provas de que o Iraque esteja protegendo terroristas internacionais ou tenha obtido armas nucleares. "O Iraque não é uma ameaça para nós", afirmou.

Agencia Estado,

27 Agosto 2002 | 16h06

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.