EFE
EFE

Alemanha decide extraditar Puigdemont à Espanha

Apesar de ser uma importante vitória do governo espanhol, o MP alemão não concordou que o líder catalão tenha cometido um crime de rebelião na Espanha, portanto, a extradição será pelo crime de apropriação inadequada de fundos públicos       

O Estado de S.Paulo

12 Julho 2018 | 15h24

ROMA - Após meses de pressão da Espanha, a Justiça da Alemanha decidiu extraditar o ex-governador da Catalunha Carles Puigdemont por má administração de dinheiro público, informou nesta quinta-feira, 12, a agência DPA.    

 

Em seu país, Puigdemont é réu no processo de independência da comunidade autônoma. No início de junho, o Ministério Público (MP) do Estado de Schleswig-Holstein, onde o ex-líder catalão está detido, já havia pedido a extradição.       

+ Em mensagens a deputado, Puigdemont reconhece que processo de independência ‘terminou’

Apesar de ser uma importante vitória do governo espanhol, o MP alemão não concordou que Puigdemont tenha cometido um crime de rebelião na Espanha, portanto, a extradição será pelo crime de apropriação inadequada de fundos públicos.       

Segundo as regras de extradição da União Europeia (UE), a Espanha deverá julgar o político apenas por malversação, que tem pena máxima de 12 anos. Caso fosse julgado por rebelião, Puigdemont poderia ficar até 30 anos preso.  

Puigdemont está detido na Alemanha desde o dia 25 de março, quando foi interceptado pela polícia perto da fronteira com a Dinamarca. Desde que declarou independência da Catalunha, o presidente deposto se encontrava em exílio na Bélgica. / Ansa 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.