Giannis Papanikos / AP
Giannis Papanikos / AP

Alemanha deve receber 800 mil imigrantes até o fim do ano, diz ministro

Ministro diz que número é 300 mil a mais que o esperado

O Estado de S. Paulo

19 de agosto de 2015 | 19h16

BERLIM - O ministro do Interior da Alemanha, Thomas de Maiziere, afirmou nesta quarta-feira que devem chegar ao país mais de 800 mil imigrantes este ano, quatro vezes mais do que em 2014 e 300 mil a mais do que o esperado.

Em entrevistacoletiva, Maiziere disse que mais de 360 mil imigrantes já entraram na Alemanha do início do ano até agor, incluindo o novo recorde de 83 mil que chegaram em julho - recorde, que, segundo o ministro, será quebrado em agosto, na medida em que o fluxo continua a crescer.

De acordo com Maiziere, os abrigos temporários já estão com pouco espaço e a Alemanha está trabalhando para arranjar soluções. A Alemanha tem capacidade para receber 45 mil pessoas em abrigos temporários, enquanto muitos imigrantes esperam pelo resultado de seus pedido de asilo. Mas o país estima que precisa de pelo menos 100 mil a 150 mil vagas nos abrigos para lidar com o fluxo.

"Todos nós (na Europa) estamos passando por desafios, mas a Alemanha não está sobrecarregada com os desdobramentos", disse.

Ainda, de acordo com o ministro, o país está buscando diferenciar os refugiados de países que passam por conflitos, como a Síria, Iraque e Afeganistão, dos cerca de 40% de imigrantesvindos de países bálticos, que podem ser enviados de volta para suas nações, caso não consigam provar um motivo para o asilo.

Até o final de julho, a Alemanha recebeu 218, 221 mil pedidos de asilo, um aumento de quase 125% ante o mesmo período do ano passado.

A Alemanha permanece sendo o principal destino de imigrantes, recebendo 43% de todos os pedidos de asilo na Europa, disse Maiziere, acrescentando que o continente deve encontrar uma solução melhor para distribuir os imigrantes. "A Alemanha não pode receber 40% dos imigrantes para sempre", comentou. / Associated Press

Tudo o que sabemos sobre:
Alemanhaimigração

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.