Alemanha diz que explosão em Túnis foi atentado terrorista

A explosão de um caminhão carregado de gasolina na frente de uma sinagoga em Túnis, que matou 16 pessoas, na maioria alemães, foi definitivamente um atentado terrorista, revelou hoje o ministro do Interior da Alemanha. "A Alemanha está agora convencida, cem por cento, que foi um ato terrorista e criminoso", disse Otto Schily a repórteres na capital da Tunísia. O ministro concedeu a entrevista após uma visita de dois dias a Túnis, onde se reuniu com investigadores do caso e conversou com o presidente do país, Zine al-Abidine Ben Ali. Em 11 de abril, um caminhão transportando gasolina explodiu na frente da entrada da sinagoga de Ghriba, na ilha tunisiana de Djerba. Dos 16 mortos, 11 eram turistas alemães. Schily afirmou que, para os investigadores, tratou-se de um atentado terrorista devido à forma como os tanques de combustível estavam acomodados no caminhão, assim como as substâncias dentro dos tanques e a forma como ocorreu a explosão. O ministro disse que as autoridades tunisianas prometeram reforçar as medidas de segurança, e, portanto, não considerava necessário emitir uma advertência aos cidadãos alemães que pretendem viajar para o país. Cerca de um milhão de alemães viajam anualmente à Tunísia. A Alemanha já havia expressado suspeitas de que a explosão havia sido um atentado, possivelmente executado pela rede terrorista Al-Qaeda. Se confirmada a versão, seria o primeiro atentado terrorista atribuído à organização de Osama bin Laden desde os ataques de 11 de setembro nos Estados Unidos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.