Alemanha e Egito advertem para conseqüências de guerra

Os líderes da Alemanha e do Egito advertiram para as "terríveis conseqüências" de uma guerra no Iraque e pediram a resolução do conflito entre Israel e os palestinos, a fim de que seja mantida unida a coalizão antiterrorismo.As inspeções de armas da ONU devem continuar, como parte dos esforços para resolver pacificamente a crise iraquiana, disseram o presidente egípcio, Hosni Mubarak, e o chanceler alemão, Gerhard Schroeder, numa entrevista coletiva, após conversações em Berlim.Mas Mubarak afirmou que as inspeções devem continuar apenas "por um tempo limitado" e que "assim que a questão iraquiana esteja resolvida, o problema do Oriente Médio tem de ser resolvido, porque achamos que ele é mais importante"."Se não (resolvermos esse problema)... o terrorismo irá se espalhar para todos os lugares", acrescentou o líder egípcio.Schroeder informou que Mubarak descreveu as conseqüências que uma guerra contra o Iraque pode ter na luta internacional contra o terrorismo, e apoiou o pedido do presidente egípcio por uma nova iniciativa para tratar o conflito israelense-palestino."Essa questão é valorizada na região, e é também por nós", afirmou Schroeder. "Ela tem de ser tratada".Os dois líderes pediram ao Iraque que cumpra com as resoluções da ONU que exigem seu desarmamento.Mubarak deve viajar de Berlim para Paris, onde se reunirá com o presidente Jacques Chirac.

Agencia Estado,

19 de fevereiro de 2003 | 15h17

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.